Skip to content

Orai sem cessar

Orai sem cessar (1Ts 5.17)

Quando o nome de Deus é invocado – quando o chamamos pelo modo como ele se revela, pelos seus atributos, fazemos um reconhecimento, para nós mesmos, nossa própria consciência, que Deus é Deus. Ele é Deus acima de tudo e de todos. Ele reina, governa, exerce domínio. Na oração Deus é reconhecido como Pai, como provedor, como protetor, como refúgio, segurança, direção, bússola, âncora. Deus é chamado perdoador, clemente, misericordioso, bondoso e amor. E a oração é um milagre. Pense nisto: O Deus vivo, criador dos Céus e da terra, ouve as palavras, os múrmurios e até os sentimentos e impressões dos seres humanos. Mais ainda, ele atende. Ele intervém. Cedo na vida cristã aprendemos o valor da oração. A oração envolve todo o ser do adorador. Envolve a alma, a emoção, os sentimentos, o intelecto.O apóstolo Paulo diz para a jovem igreja em Tessalônica que esta deveria orar. E orar sem cessar. O que quer dizer isso? Como assim, sem cessar? Aquelas pessoas estavam lidando com perdas, sofrimento e incertezas. Paulo recomenda a oração. Elas estavam lidando com a morte a incerteza do que a morte trazia. Paulo diz a eles que deviam orar sem cessar. Mas como alguém pode orar sem cessar?

Isto pode fazer referencia à perseverança na oração. Eles estavam tão assoberbados, tão exaustos e perturbados com os dramas de suas vidas e com as lutas, que talvez poderiam esquecer de buscar a direção de Deus. Paulo já havia falado sobre o valor de se perseverar na oração, como vemos em Romanos 12.12. Assim, Paulo está lembrando os tessalonicenses que nossa adoração a Deus, nossa comunhão com Deus não pode ser comprometida por circunstâncias. Mas, ainda mais do que se lembrar de orar, Paulo traz a ideia de que a oração deve ser algo constante na experiência do cristão. Ele usou essa mesma expressão no começo da carta, em 1.2 quando disse que “sem cessar, faz menção deles mesmos diante de Deus”. Em Romanos 1.9, Paulo diz aos romanos que “incessantemente” faz menção deles em oração, diante de Deus. Em Efésios 6.18 Paulo mesmo orienta os cristãos de Éfeso a orar o tempo todo no espírito. Isto é um convite de Paulo para o cristão tornar suas lutas seus motivos de oração. A oração não precisa (e nem deve) ser aquela coisa mecânica, repetitiva, sem vida ou sempre solene. Jesus critica os fariseus que oravam para ser vistos pelos homens. A oração pode ser como nos salmos. Mais de 60 dos salmos são orações, ou, como alguém já disse, “escola de oração”. Neles vemos o orante dizendo para Deus o que está sentindo, o que está vendo e como está vendo as coisas. No fim, ele afirma seu amor a Deus, sua confiança, mas também expressa suas dúvidas, temores, tristezas e incertezas.

Orar sem cessar é tornar as questões do dia a dia seu motivo de oração. É viver “coram Deo”, face a face diante de Deus, de modo que, na medida que o dia passa, as questões com as quais você lida são colocadas naturalmente diante de Deus. Suas dúvidas, dilemas, lutas, vitórias e fracassos, coisas pequenas e coisas grandiosas, são colocadas diante de Deus, como um desabafo, como um confronto até, reverente, humano, uma busca por direção, consolo e auxílio. Em todo tempo.


Fonte: facebook.com/ProfTiagoSantos

Published inOração

Receba nossos informativos!

Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades:

Obrigado. Cadastro efetuado com sucesso!