Skip to content

O espírito santo estará se comunicando eternamente com os salvos através da graça da caridade

O amor bíblico e seus frutos – Exposição de 1 Coríntios 13 – Capítulo 15

“O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá.” (I Coríntios 13: 8)

Até aqui nós vimos a superioridade do amor sobre as outras graças. Todos os outros dons não são nada sem ele. Ele é a fonte de todas as boas disposições e comportamentos. É o dom mais durável de todos, permanecendo inclusive na glorificação, enquanto todos outros dons estarão extintos.

Em nosso texto, o apóstolo fala duas coisas. Primeira, o amor nunca falha; ele é eterno. O “tudo suporta” (v.7) implica e conduz para o “nunca falha”.

A segunda coisa é que todos os outros dons terminariam. Ele menciona três dons: (1) Profecia, ou palavras diretamente inspiradas pelo Espírito Santo. (2) Línguas, ou o poder de falar em outro idioma nunca antes estudado, como ocorreu no dia de Pentecostes com os apóstolos. (3) Ciência, ou o dom milagroso do conhecimento, também chamado de a palavra da ciência no capítulo 12, verso 8. Este termo não se refere a todo conhecimento, pois o nosso conhecimento de Deus continuará crescendo no céu.

Este dom especial da ciência está em contraste com o conhecimento adquirido pela razão e estudo, e também do conhecimento experimental da influência salvadora do Espírito Santo na alma. Estes três dons foram previamente mencionados nos capítulos 1 e 2 como não sendo absolutamente nada sem a graça do amor. Eles foram exemplos dos dons extraordinários concedidos à igreja durante a sua época de infância, enquanto o Cristianismo era introduzido e espalhado pela terra. Quando este propósito se concretizou, todos estes dons cessaram. Entretanto, a ordinária e muito melhor graça do amor nunca cessa.

Fica plenamente claro, que o grande fruto do Espírito Santo, pelo qual Ele se comunicará eternamente com o povo de Deus, é o amor ou amor divino.

I. O ESPÍTITO SANTO É DADO AO POVO DE DEUS PARA HABITAR E ENFLUENCIAR A ELES ETERNAMENTE.

O Espírito Santo é a soma de todas as boas coisas que Cristo comprou para nós nesta vida e no porvir. Ele é garantia e a promessa de Cristo para a Sua igreja, a fim de que ela possa continuar firme e as portas do inferno não prevaleçam contra ela. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre. O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós (João 14: 16-17). Adão, em seu estado original, tinha o Espírito Santo, mas o perdeu por causa da desobediência. Mas na Nova Aliança, Deus concede o Espírito Santo de maneira mais permanente, para nunca mais partir.

II. HÁ OUTROS DONS DO ESPÍRITO SANTO ALÉM DAQUELES RESUMIDOS NA CARIDADE, ONDE O ESPÍRITO SANTO É COMUNICADO AO POVO DE DEUS.

Eles se resumem em duas categorias.

Primeiro, através dos dons extraordinários, tais como milagres e inspiração, o Espírito Santo tem se comunicado com o povo de Deus. Nós lemos a respeito da operação destes dons em algumas ocasiões do Velho Testamento, assim como com grande freqüência nos dias da igreja primitiva.

Segundo, pelos dons da graça comum o Espírito Santo se comunica com os salvos e também com os perdidos. Há em comum, convicção de pecado, iluminação, afeição religiosa, os quais, embora não possuam nada em si mesmos do verdadeiro amor Cristão ou garça salvadora, ainda assim são frutos do Espírito, pois são o efeito de Sua influência nos corações dos homens.

III. TODOS ESTES DONS DO ESPÍRITO DURARAM APENAS POR UM PERÍODO DE TEMPO ESPECÍFICO, E TAMBÉM CESSARAM, OU IRÃO CESSAR EM ALGUM MOMENTO.

Os dons extraordinários do espírito, tais como profecias, línguas, e ciência, certamente cessaram com os próprios apóstolos. Eles não eram mais necessários assim que os escritos do Novo Testamento se completaram. O apóstolo João indica isso claramente nas últimas palavras do livro de Apocalipse, escrito um pouco antes de sua morte. O principal propósito dos dons extraordinários era o de revelar a verdade de Deus até que ela estivesse sido entregue na forma escrita. Antes de Moisés, Deus muitas vezes falou diretamente a Adão, Enoque, Noé, Abraão, Isaque, Jacó, e outros. Então veio um período longo em que houve pouca ou talvez nenhuma revelação direta. Após cerca de 400 anos de silêncio, o Espírito novamente entrou em cena com dons extraordinários sendo concedidos a Ana e Simeão, Isabel e Zacarias, e Maria e José. Começando no dia de Pentecostes, vemos uma extraordinária efusão destes dons através do livro Atos. Porém, uma vez que Deus tinha concedido através dos apóstolos e dos seus colaboradores mais íntimos a revelação escrita da Sua mente e vontade, como regra de fé para os todos os Seus discípulos de todas as épocas, então os dons extraordinários tiveram o seu fim. Deus fez com que eles cessassem por não serem mais necessários. E pelo mesmo motivo eles também não se farão presentes no céu.

Quanto às operações comuns do Espírito, embora elas continuem nestes dias, elas também deixarão de existir após o dia de julgamento. O seu propósito e ocasião estavam limitados a este mundo.

IV. O DOM DA CARIDADE É O GRANDE FRUTO DO ESPÍRITO SANTO QUE NUNCA FALHA, PELO QUAL ELE TEM INFLUENCIADO E SEMPRE INFLUENCIARÁ O SEU POVO.

Uma vez que o Espírito foi dado por Cristo ao seu povo para sempre, então independentemente dos frutos do Espírito serem temporários, ou se vigoraram somente na época apostólica ou não, a influência do Espírito é que era eterna e infalível. A caridade, ou amor divino, é o fruto pelo qual as influências eternas do Espírito Santo aparecem.

Nós podemos considerar o desenrolar deste princípio de duas maneiras.

Primeira, com respeito aos Cristãos de forma individual. Todo verdadeiro filho de Deus experimenta um amor contínuo e infindável. Como Romanos 8: 38-39 nos ensina, nada poderá nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. Este amor sobrevive nesta vida. Quando os apóstolos morreram, eles deixaram os seus dons miraculosos juntamente com seus corpos, mas o amor que havia em seus corações permanece para sempre com eles no céu. Quando o ímpio morre, ele deixa para trás todas as influências da graça comum. Mas quando o Cristão morre, embora ele deixe para trás, assim como o ímpio, muitos dos frutos do espírito que possuía, ainda assim ele leva consigo a caridade por toda a eternidade, onde ela será perfeita e onde viverá e reinará em perfeito e completo domínio em sua alma para todo o sempre.

Segunda, o princípio do amor que “nunca falha” aplica-se a todos os Cristãos de forma coletiva. Embora, como vimos anteriormente, os dons miraculosos vieram e partiram em ambos os Testamentos, a graça da caridade tem sido mantida constantemente por Deus no meio do Seu povo. E quando este mundo acabar, e os eleitos de Deus atingirem o seu estado final, o amor divino não cessará, mas será vivido em gloriosa perfeição. Toda alma redimida desfrutará, assim como aqui desfrutou, da chama do amor divino, e permanecerá crescendo neste amor por toda a eternidade.

Alguém poderia perguntar: Por que alguns frutos do Espírito cessaram, enquanto outros permanecem para sempre? A resposta é esta: porque o amor é o objetivo final de todos os outros dons e frutos do Espírito. Os dons miraculosos eram meios para se atingirem este fim, ou seja, promover a santidade e edificar o reino de Deus no coração, e tudo isso se resume na caridade. Os dons extraordinários revelaram e confirmaram a Palavra de Deus. Eles foram meios pelos quais a graça se manifestou, mas o amor é a essência da própria graça. Os meios cessaram, mas o objetivo continua. Da mesma maneira, os dons comuns do Espírito, tais como iluminação, e convicção, tem o seu valor enquanto promovem a graça e a santidade, as quais consistem em caridade. Quando a caridade for aperfeiçoada, então eles também deixarão de ser necessários.

Agora vamos observar algumas lições que devemos aprender deste texto:

I. NÃO HÁ RAZÃO PARA ASSUMIRMOS QUE OS DONS EXTRAORDINÁRIOS DO ESPÍRITO RETORNARÃO NOS ÚLTIMOS DIAS.

Não são poucos os escritores do passado e do presente que defendem esta errônea posição, que tanto o texto como o contexto refutam. A glória dos últimos dias do reino de Cristo na terra será muito mais gloriosa do que nunca. Faz muito sentido que o caminho mais excelente do capítulo 12, verso 31, é que prevalecerá, e não o retorno do menos excelente caminho dos dons miraculosos. Nos versos 9 e 10 do nosso texto, o apóstolo deixa muito claro que aquilo que é em parte, dará lugar ao que é completo. Os dons de profecia e milagres dizem respeito à infante condição da igreja, e não sua maturidade! Então, por que aquilo que era inferior retornaria nos dias de maior superioridade? Por que uma igreja adulta retornaria à prática das coisas de menino? (vs. 11). Certamente que a época dos grandes avivamentos pode muito bem provar que o Espírito Santo de Deus opera poderosamente sem ter que fazer uso dos dons miraculosos. O Espírito de Deus, com a Palavra de Deus, é suficiente para operar eficazmente na salvação de milhares de almas. Se não precisamos de novas Escrituras, também não necessitamos do retorno dos dons milagrosos, que produziram e confirmaram as Escrituras.

II. DEVEMOS SER EXTREMAMENTE CAUTELOSOS EM NÃO DAR ATENÇÃO A QUALQUER COISA QUE PAREÇA SER UMA NOVA REVELAÇÃO OU UM DOM EXTRAORDINÁRIO DO ESPÍRITO SANTO.

Algumas pessoas ficam tão impressionadas com seus sonhos e superstições que acabam sendo guiados por eles como se fossem uma revelação milagrosa da parte de Deus. Mas de acordo com o nosso texto, todos estes dons cessaram. Portanto, tais supostas revelações não passam de um grande engano.

III. DEVEMOS VALORIZAR GRANDEMENTE OS FRUTOS DO ESPÍRITO, RESUMIDOS NA CARIDADE, OS QUAIS COMPROVAM A PRESENÇA DA GRAÇA VERDADEIRA NA ALMA.

Tendo em vista a superioridade das graças ordinárias, vamos firmemente buscar e desejar este abençoado fruto do Espírito. Vamos nos esforçar para que o amor de Deus possa ser derramado em nossos corações mais e mais. Vamos deliberadamente amar ao nosso Senhor Jesus Cristo em sinceridade, e aos outros homens assim como temos sido amados por Cristo.

Se esta graça faz parte de nossa alma, então asseguramos os nossos corações de que possuímos a vida eterna, pois ela nunca falha, e nos acompanhará por toda a eternidade. O amor derramado em nossos corações aqui na terra nos prepara para o céu, um mundo de amor, onde o Espírito de amor reina e nos abençoa para todo o sempre.

Published inO amor bíblico e seus frutosVida cristã

Receba nossos informativos!

Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades:

Obrigado. Cadastro efetuado com sucesso!