Skip to content

Não ignorando os seus ardis 22/30

Leitura: I Tim 1:12-16

III. OS ARDIS PARA DEIXAR O CRENTE SEMPRE DESANIMADO

A. Exagerar pensamentos sobre o pecado para não olharmos para o Salvador – Fil. 4:8,9

B. Interpretar Mal a Segurança da Fé – Gal 4:6

C. Entender Mal os Contra Tempos que Vêm na Vida – Rom. 8:28

D. Sugerindo que a Graça existente é Falsa

1. A Tentação

Satanás gosta de relembrar-nos que nem tudo que brilha é ouro e por isso a sua salvação pela graça não é nada mais do que uma boa resolução. O que você diz ser amor pela verdade, é a mesma coisa que qualquer torcedor de futebol sente por seu time favorita. Sua fé é apenas uma maquilagem. O que você diz ser iluminação é a mesma que qualquer homem moral tem, e por isso, é temporária, boa somente enquanto estamos aqui na terra, etc.

Saiba que Satanás não só quer desanimar o crente sugerindo que a sua graça salvadora é uma imitação mas também quer sugerir que a esperança do hipócrita é verdadeira.

2. A Solução – Considerar o que é a graça verdadeira.

A. A Palavra “Graça” pode significar duas coisas:

1). Favor imerecido que Deus tem por nós.

Este favor vem de Deus para abençoar com salvação aquele que não, em si, o quis procurar. É o que muitos qualificam como a pri­meira graça, pois todas as outras dependem desta. Essa graça só vem de Deus. Nosso estudo é baseada nesta graça que Deus tem dado ao homem para que ele o possua em seu coração.

2). As bênçãos de Deus. Estas estão de duas qualidades, geral e par­ticular.

· A todos em geral. Seria os talentos, as capacidades intelectuais, físicas, ou senti­mentais, posições, responsabilidades, etc. Mat. 5:45, !Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.” Devemos frisar que a falta de capacidades não é falta de graça salvadora pois as bênçãos a todos não é graça salvadora. Pelo mesmo modo, a abundância de capacidades não é abundância de graça salvadora.

· Aos eleitos em particular. Estas são as bênçãos por ter a habitação do Espírito Santo no coração, algumas das quais são listadas em Gal 5:22,23.

A Graça Verdadeira

Existe graça falsa. A graça falsa pode ser resumida pelas palavras “religião” e “moralidade”. São aspectos que o homem considera divinos mas não são. Convém verificar o que é a graça verdadeira:

· A Graça Verdadeira primeiramente brilha por dentro gloriosamente e depois por fora – A graça de Deus gera no homem pecador um “novo homem” (Efés 4:223,24) também chamado !homem interior? (Rom 7:22) e uma “nova criatura” (II Cor 5:17). Por ser de dentro do homem, atua no interior em primeira instancia (Jer 20:9). A virtude moral do homem, ou também chamada “religião”, apenas prende o homem pelo lado de fora (Mat. 23:25-33). A graça autêntica instila algo novo por dentro, que logo se manifesta por fora.

· A Graça Verdadeira tem um objetivo sobrenatural – A coroa eterna (II Tim 4:8; Tiago 1:12; I Ped 5:4), o prazer de Cristo (II Cor 12:9; Efés 3:21), a exaltação de Deus e preciosas pro­messas (II Ped 1:4, por elas fiqueis participantes da natureza divina?). Sal 42:1, !Assim como o cervo brama pelas correntes das á­guas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!? Em contrapartida, os alvos da “graça humana” (religião) estão sempre dentro do alcance do conhecimen­to humano, da mão humana, e do entendimento humano (reconhecimento, cura, bens, posições …).

· A Graça Verdadeira capacita para ações de serviço a Deus com prazer e alegria – para o crente verdadeiro o jugo de Cristo “é suave” e o seu fardo “é leve” (Mat. 11:28) Sal 1:2; Rom 7:22; I João 5:3, “e os seus mandamentos não são pesados.” Para os interessados de aparências, os religiosos, os mandamentos de Deus são pesados.

· A Graça Verdadeira ensina o crente a não confiar em seu coração – A graça verdadeira relembra o crente do que ele foi salvo, I Tim 1:12-16. Não é um simples maquiagem. O homem moral se interessa muito mais em convencer os outros do que conhecer Deus. É maquiagem. (Ex. Judas, Demas, e os fariseus, Mat. 23:23,24.)

· A Graça Verdadeira possibilita o crente a amar Deus até a morte – Sal 44:17; Heb 11:32-38 tudo isso, “pela fé” e a fé vem pela graça. (Veja Estêvão, Atos 7:58-60). Por isso sabemos que a graça verdadeira é diferente que aquele sentimento que alguém tem por um time favorita, etc.

· A Graça Verdadeira torne a cruz de Cristo mais valiosa que a coroa do mundo. – Heb 11:1-40; Veja a graça falsa que é apenas moralidade ou religião: Mat. 19:19-22 (quis a coroa do mundo mais do a cruz de Cristo); II Tim 4:10 (“Demas me desamparou, aman­do o presente século”).

· A Graça Verdadeira motive a obediência por amor a Deus – Qualquer coisa, só quero conhecer o Seu amor, o gozo que vem com a tua face (Sal 21:6). A graça falsa, ou religião humana, é motivada por causas exterio­res: reconhecimento do homem, conforto, riqueza, etc. Exemplos: Rei Saul (I Sam 15:9), Judas (Mat. 26:15), Demas (II Tim 4:10), e fariseus (Mat. 6:5).

· A Graça Verdadeira habilita a deixar o pecado para seguir a Cristo – A semente boa, cresceu até que deu fruto. As outras, mesmo a que cresceu um pouco, não permaneceram após a dificuldade. Mat. 13:1-9,18-23. Prov. 4:18, !A vereda dos justos é como a luz da aurora … mais e mais até ser dia perfeito.” Não sou tudo o que quero ser ainda, mas pela sua graça logo serei. Por isso entendemos a graça verdadeira é diferente de “iluminação” comum que e o homem natural conhece. A iluminação (moralidade) comum leva o homem seguir a religião, os princípios e as filosofias e não a Cristo.

· A Graça Verdadeira traz o crente a amar a Cristo como o mais bem amado. – Cristo é o que importa mais! João 6:68, !tu tens as palavras da vida eterna?; Cantares 5:10; 3:4; I Cor 1:30; Fil. 3:7-9, “Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo.” Os da graça humana, “já receberam o seu galardão? por serem vistos pelo homem (o deus deles), Mat. 6:1,2.

· A Graça Verdadeira o crente se satisfaz somente com Cristo. – Sal 23:1, !O Senhor é meu pastor, nada me faltará.” Ele é apenas o que eu quero. II Cor 6:10, “como nada tendo, e possuindo tudo” O falso, leva a Cristo se também há honra, riquezas e conforto, mas dei­xa-o quando custa levá-lo. Para o que conhece a graça de Deus, Ele “é tudo” Col 3:11. Fil. 3:8, “pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo”

Entendendo o que é a graça verdadeira podemos diferenciar ela das bênçãos que Deus derrama a todos. Pode ser que bênçãos gerais são existentes e isso não deve causar desanimo ao crente. Se temos traços da operação da graça verdadeira em nosso coração, mesmo sem as bênçãos exteriores e em geral, não temos causa sermos desanimados. Temos razão de louvar o Senhor continuamente.

“E quão preciosos me são, Ó Deus, os teus pensamentos! Quão grandes são as somas deles! Se as contasse, seriam em maior número do que a areia; quando acordo ainda estou contigo.” Sal 139:17,18.

Published inNão ignorando os seus ardisVida cristã