Skip to content

Estudo sobre ÊXODO 9 E 10

ÊXODO 9 E 10

INTRODUÇÃO

Neste capítulo temos o relato de mais seis pragas. Tanto a economia quanto a teologia do Egito foram destruídos. Seus corpos foram feridos e em alguns casos mortificados. Mas nenhuma destas coisas foi suficiente para tornar Faraó mais humilde. O julgamento por si só nunca produz o verdadeiro arrependimento (Apocalipse 9:20-21).

I. O GADO DOS EGÍPCIOS É DESTRUÍDO – ÊXODO 9:1-7

Estes governadores eram tão separados da vida cotidiana que alguns chegam a pensar se Faraó realmente entendeu a seriedade destes julgamentos. Que ele parece não estar ciente disso fica implícito em Êxodo 10:7.

II. EGITO É FERIDO COM ÚLCERAS – ÊXODO 9:8-12

Agora, pela primeira vez, os egípcios foram feridos com uma dor terrível. Deus os estava avisando de que Seus julgamentos não tinham limites. Caso a rebelião continuasse uma destruição total ocorreria. Não é cômica a situação dos magos no versículo 11?

III. O EGITO É FERIDO COM SARAIVA – ÊXODO 9:13-26

Tendo sido advertidos pelas úlceras, o Egito agora é visitado por uma praga que não somente destrói a vegetação, mas também tem o poder de matar homens e animais. Entretanto, não podemos deixar de notar quão misericordioso e paciente é Deus. Antes que esta praga caísse, todos são avisados e têm oportunidade de salvar tanto a própria vida como a vida dos rebanhos. O que podemos pensar daqueles que se recusaram a temer e crer em Deus (versículos 20-21)? Os julgamentos de Deus não são justos? Pense quanto tempo Deus terá que suportar a incredulidade do homem antes que os julgamentos da Grande Tribulação comecem.

No versículo 16 Deus expõe a Faraó que a sua ascendência e existência como governador foi feita para que Deus pudesse ser exaltado. Que magnificência há em Deus. Os homens mais poderosos são meros instrumentos de Sua vontade. Paulo se refere ao versículo 16 para ilustrar a soberania de Deus na salvação (Romanos 9:17-23).

IV. ARREPENDIMENTO TEMPORÁRIO – ÊXODO 9:27-35

O verdadeiro arrependimento produz uma mudança de mente permanente (II Coríntios 7:10). Há, no entanto, a mudança provocada pelo medo ao invés da graça salvadora. Isto é manifestado pela sua natureza temporária (II Pedro 2:20-22).

Enquanto a hipocrisia do Faraó está sendo descrita, a misericórdia de Deus é manifestada. Se o Egito tivesse se arrependido, Deus cuidaria para que a fome não os atingisse (versículos 31-32). Infelizmente, a rebelião deles foi a causa de Deus retirar essa misericórdia (Êxodo 10:5).

V. UM TESTEMUNHO PERMANENTE – ÊXODO 10:1-2

Tanto os julgamentos quanto as misericórdias têm o propósito de glorificar a Deus (Romanos 9:21-23). Deus explica para Moisés que estes sinais eram para servir de testemunho, ás futuras gerações, da grandeza de Deus. Mesmo hoje, nossa fé é fortalecida pela lembrança dos grandes feitos de Deus (Romanos 15:4). Devemos também crer que estes sinais são um aviso para todas as nações a respeito do seu futuro conflito com o Todo-Poderoso. A próxima vez que você ler o “livro de Apocalipse” perceba quantas figuras vem de Êxodo.

VI. FARAÓ AMEAÇADO COM GAFANHOTOS – ÊXODO 10:3-6

O versículo 3 verdadeiramente expõe o coração do homem pecador. Por natureza o orgulho nos impede de humilhar-nos perante Deus. O curvar-se perante Deus ocorrerá na salvação ou no julgamento (Filipenses 2:9-11).

VII. A BARGANHA DO FARAÓ – ÊXODO 10:7-11

Os servos do Faraó ficam desesperados e o repreendem até ele tentar de negociar com Moisés. Note, no entanto, que Faraó está apenas barganhando com Deus como um rival e não se submetendo como um servo. Ele ainda não tinha intenção de obedecer a Deus.

VIII. OS GAFANHOTOS – ÊXODO 10:12-20

Que tropas estranhas o Senhor usa (Joel 2:11). Ele não necessita de nenhum poder humano para humilhar o homem. O terror desta praga deveria ser experimentado para que pudesse ser entendido. Quando os gafanhotos foram retirados, toda vegetação havia sido devastada. O Egito se transformou em um cenário de total desolação mas, mesmo assim, o coração do Faraó é endurecido por Deus.

(Pense em nossos dias em que cenas como a da Somália, onde a indústria e a agricultura estão destruídas e ainda o homem continua a lutar pelo poder, mostrando-se indiferente a devastação).

IX. TREVAS NO EGITO – ÊXODO 10:21-29

O principal deus do Egito era Rá, o deus do sol. Durante três dias Deus revela o Seu poder sobre esta deidade imaginado. Somente Israel tinha luz.

Novamente Faraó deseja barganhar, mas quando ele vê sua oferta ser recusada, fica irado e ordena que Moisés desapareça de sua presença sob ameaça de morte. Neste ponto, Deus pára de exortar ao Faraó. Daqui por diante não há mais alívio do castigo. O Egito perde suas riquezas, seus primogênitos e o seu exército. A maior de todas as nações da terra é reduzida a um cenário de desolação.

X. A CONCESSÃO DO FARAÓ

Muitos têm visto na negociação do Faraó um tipo das tentações que Satanás induz os santos de todas as épocas. Quando Satanás não consegue causar uma rebelião completa contra Deus, ele tenta mais sutilmente nos desviar da vontade dEle.

Note agora que Deus não deseja que barganhemos com Ele, mas que o obedeçamos. Suas ordens á Israel foram claras. Eles deveriam se desligar completamente do Egito (Êxodo 3: 18). Faraó, no entanto, como um instrumento de Satanás, iria moderar isso da seguinte forma:

A. Ele oferece a eles que adorem a Deus no Egito (Êxodo 8:25). Isto é um quadro de todos os que querem misturar a igreja com o mundo. Esta é a doutrina de Balaão e tal adoração é adultério espiritual (Tiago 4:4). Os verdadeiros santos que tentarem se juntar com o mundo, serão desprezados (Êxodo 8:26-27). Imagine uma igreja verdadeira unindo-se á uma falsa em adoração. Se elas pregassem e praticassem a verdade, ofenderiam totalmente uma a outra.
B. Em seguida, o Faraó lhes permite sair para adorar caso eles não fossem tão longe onde Deus apontara (Êxodo 8:28). Satanás ainda continua a incentivar o povo de Deus a não ser “fanático” em sua obediência á Deus.

C. Em Êxodo 10:8-11, Faraó permitiria a adoração caso as famílias não fossem envolvidas. Isto nos faz lembrar da Rússia onde aos pais não é permitido ensinar aos próprios filhos acerca de Deus. Satanás cobiça nossas famílias.

D. Em Êxodo 10:24, Faraó permitiria a adoração caso Israel deixasse suas possessões para trás. Até que Deus tem o controle de nossa carteira, nós ainda estaremos na mão de Satanás (Mateus 6:21). Se o nosso tesouro estiver no Egito, a nossa adoração não terá nenhum valor (Mateus 6:24-34).

Que possamos aprender de tudo o que vimos que a única adoração aceitável é aquela que envolve todo o nosso coração e uma total obediência á Deus.

 

Published inUm guia de estudo para o livro do Êxodo

Receba nossos informativos!

Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades:

Obrigado. Cadastro efetuado com sucesso!