Skip to content

Estudo sobre ÊXODO 12

ÊXODO 12

INTRODUÇÃO

Em Êxodo 12 temos o relato da última praga enviada sobre o Egito e uma das maiores figuras da redenção das Escrituras. A páscoa era o sacrifício de um cordeiro no lugar do primogênito. Não somente a natureza da morte substitutiva de nosso Senhor foi ilustrada, mas também muitos detalhes da redenção foram trazidos á luz. O melhor de tudo é que o apóstolo Paulo não deixou lugar para que ninguém questionasse a intenção divina de fazer deste evento uma figura da salvação através de Cristo (I Coríntios 5:7).

I. UM NOVO COMEÇO – VERSÍCULOS 1-2

O mês da páscoa era a marca de um novo começo para Israel. Dali em diante, este mês, que vinha sendo o sétimo mês do ano velho, passaria a ser o primeiro do novo ano sagrado de Israel. Vários pensamentos nos vêm a mente aqui:

A. Nosso calendário conta os anos a partir do nascimento de Cristo. Ele é o ponto focal da história.

B. A redenção é um novo começo na vida do povo de Deus. É a libertação da escravidão criada pelo mundo, a carne e o diabo (II Coríntios 5:17, Efésios 2:1-5).

II. O CORDEIRO – VERSÍCULOS 3-6

O Cordeiro de Deus – João 1:29

O sacrifício para a páscoa deveria ser um cordeiro. Este animal com sua natureza branda e inofensiva é freqüentemente usada nas Escrituras como uma figura de Cristo Jesus (Isaías 53:7, Gênesis 22:8). O cordeiro tinha que ser um macho de um ano. Ele deveria ser sem mácula assim sendo um tipo apto do Cordeiro de Deus (I Pedro 1:18-19).

C. A Agenda de Deus

Este cordeiro tinha que ser separado no décimo dia do mês e morto no décimo quarto dia do mesmo mês. Isto nos lembra que nosso Senhor viveu e morreu dentro dos dias planejados anteriormente por Deus (Gálatas 4:4-5). Ninguém poderia apressar a Sua morte (Mateus 2:13), mas Ele rendeu a Sua vida no devido tempo (Lucas 23:46).

D. O Cordeiro Separado

Por que o cordeiro era separado entre o décimo e o décimo quarto dia? Não era porventura para constatar que não havia nele nenhum defeito? Nosso Senhor viveu trinta anos sobre a terra antes mesmo que o Seu ministério público começou. No fim deste período Deus declarou que Ele era imaculado (Mateus 3:16-17). A morte de Cristo não teria significado se Sua pureza pudesse ser questionada. O ultimo Adão foi testado e aprovado em todos os sentidos (Hebreus 7:26).

E. Redenção Individual

Nas Escrituras, os sacrifícios nunca foram oferecidos para as pessoas em geral, mas antes para alguns em particular. O pecador era identificado com e representado pelo sacrifício antes mesmo que este fosse oferecido (Levítico 1:1-15). Mesmo no grande dia de expiação, o sacrifício e o bode emissário era para a nação da aliança e não para os outros povos habitantes de Canaã (Levítico 16:15-16 e 20–22). Sendo assim, não é surpresa aprender em Êxodo 12 que o cordeiro era sacrificado e comido por um povo escolhido diante mão.

Cristo veio morrer por aqueles que são especialmente amados pelo Pai. Estes foram escolhidos para serem abençoados em Cristo Jesus que, como o fiador deles, os representaria na cruz (Efésios 1:3-4). Seus nomes foram, desde a eternidade, colocados no livro da vida (Apocalipse 17:8) como aqueles por quem Cristo morreria (Apocalipse 13:8). Como um pastor, Ele daria a Sua vida por estes (João 10:11). Aqueles que foram escolhidos em Cristo participarão dos benefícios de Sua obra salvadora (Atos 13:48, II Timóteo 1:9, Romanos 8:32-34).

Nós nos referimos a este propósito eterno de Deus como sendo a “Aliança da Graça”. Esta aliança é feita entre as pessoas da Trindade e diz respeito à salvação daqueles entregues a Cristo pelo Pai (João 6:37, 17:9). Essas pessoas da aliança são tipificadas em Israel. Note que enquanto todo Israel tinha um cordeiro (versículo 6), todos os Egípcios, que representam o mundo, perderam seus primogênitos (versículo 29).

F. O Cordeiro Sacrificado

“Porque o salário do pecado é a morte…”. Ou o cordeiro, ou o primogênito deveria morrer. Cristo é o nosso substituto e a nossa páscoa (I Coríntios 5:7). Ele levou a culpa dos nossos pecados, e, pela fé, nós somos revestidos da Sua justiça (II Coríntios 5:21).

G. A Suficiência do Cordeiro

Aqueles que confiam em Cristo encontram um perfeito e completo Salvador. Em alguns casos, o número de pessoas numa casa era pequeno demais para o cordeiro, mas o cordeiro nunca era pequeno demais para a casa. Cristo pode salvar perfeitamente todos aqueles que venham a Ele pela fé (Colossenses 2:9-10).

Antes de encerrarmos nosso estudo dos versículos 3 a 6, devemos notas que embora milhares de cordeiros morressem, a palavra “cordeiro” está sempre no singular. Isso não enfatiza a idéia de que somente um cordeiro é quem poderia realmente levar os pecados? Estes “muitos” simplesmente apontavam para aquele “único”.

 III. O SANGUE – VERSÍCULO 7

Não era suficiente apenas a morte do cordeiro. O sangue deveria ser aplicado á porta a fim de que tudo atrás dela fosse salvo. Quando o anjo da morte passou, não foram as boas obras da família, mas o sangue nas ombreiras da porta que os salvou (versículo 13).

Note que o sangue foi aplicado na verga e em ambas as ombreiras. Nenhum sangue foi aplicado ao chão, pois pisar e desprezar o sangue de Cristo é provocar a ira de Deus (Hebreus 10:29).

IV. O CORDEIRO CONSUMIDO – VERSÍCULOS 8-11

Todos aqueles para quem o cordeiro foi morto, comeram dele. Isto ilustra a verdade de que a salvação é o compartir de Cristo pela fé. Ele é o pão da vida para o pecador com fome espiritual (João 6:35). Quanto a cada tipo ou figura que apontavam para o Salvador, nosso Pai celestial foi bem detalhista em assim descrevê-los:

H. O cordeiro deveria ser completamente assado e nenhum outro método de preparação poderia ser utilizado. A maioria dos estudantes vem neste quadro, uma figura de Cristo sofrendo a justa ira de Deus pelos nossos pecados. Nossos pecados trouxeram a ira de Deus sobre o Seu próprio Filho (Isaías 53:10, Zacarias 13:7). Enquanto o nosso Salvador sofria no Calvário Ele, como aqueles que estão no inferno, não recebeu água (João 19:28, Lucas 16:24).

I. O cordeiro deveria ser comido com pão sem fermento. Isto representa a sinceridade e a ausência de dolo ou hipocrisia naqueles que participavam do sacrifício (I Coríntios 5:8). Ninguém pode vir a Cristo, pela fé, a não ser que venha com sinceridade e verdade. O apóstolo Paulo também uso este mandamento, o do uso do pão sem fermento, para enfatizar a necessidade da pureza e da disciplina nas igrejas do Novo Testamento (I Coríntios 5:1-13, note versículos 6-8).

J. O cordeiro deveria ser consumido com ervas amargas. Isto representa a tristeza e o arrependimento encontrados naqueles que recebem a Cristo (II Coríntios 7:10).

K. Note, atentamente, como o cordeiro deveria ser totalmente consumido. Aqueles que são verdadeiramente salvos, recebem a Cristo em todos os Seus ministérios. Ele é um profeta, para nos ensinar, um sacerdote para limpar a nossa alma e um rei para nos governar. Ninguém pode tê-lo como Salvador se o recusa como Senhor.

L. Nenhuma parte do cordeiro deveria ser deixada para o mero uso secular. Tudo deveria ser consumido na festa ou queimado no fogo. Ai daquele que tentar usar de Cristo para propósitos mundanos. Alguns se juntam a uma igreja por negócio ou por razões sociais. Deste modo Judas assim aprendeu que este é um negócio muito perigoso.

M. Nós podemos observar também que ao queimar as sobras nada era permitido de se corromper ou estragar. O precioso corpo de Cristo não viu a corrupção (Atos 2:27).

N. Aqueles que participavam do cordeiro deveriam estar completamente trajados para viajar. A fé em Cristo nos leva para fora do Egito (Colossenses 1:13) e nos faz peregrinos espirituais (Hebreus 11:13).

O. Finalmente, vemos que a páscoa deveria ser comida as pressas. Somente aqueles que fogem para Cristo é que realmente se achegam a Ele (Hebreus 6:18).

V. A PASSAGEM – VERSÍCULO 12

Os Egípcios representam todos no mundo que, sem Cristo, irão finalmente sofrer o julgamento de Deus. Os deuses do Egito foram também julgados assim como Satanás e seus anjos um dia serão condenados por sua rebelião (Mateus 25:41).

VI. PASSAR SOBRE – VERSÍCULO 13

Nenhum dos primogênitos de Israel morreu. O sangue ficou entre eles e o anjo da morte. Da mesma forma, nós somos salvos porque Cristo derramou seu sangue pelos nossos pecados, tornando-se assim a nossa páscoa (I Coríntios 5:7). Nós somos tão culpados quanto o mundo, mas o sangue de Cristo nos justifica de todo pecado (Romanos 5:9) e clama por misericórdia (Hebreus 11:24).

VII. UM MEMORIAL – VERSÍCULO 14

A festa da páscoa era para ser comemorada anualmente como um memorial. Desta maneira o evangelho continuou a ser proclamado em figura. Do mesmo modo a Ceia do Senhor tem o mesmo propósito hoje em dia. A páscoa apontava para Cristo, que viria morrer pelos nossos pecados, enquanto a ceia aponta para o Salvador que veio e morreu (I Coríntios 11:26).

É interessante notar que foi na ultima páscoa, antes que Cristo abolisse através da Sua morte a lei cerimonial do Velho Testamento, que Ele instituiu a Ceia do Senhor para a nova dispensação. (Colossenses 2:14-16, Mateus 26:17-30).

 VIII. A FESTA DOS PÃES ÁZIMOS – VERSÍCULOS 15-20.

No dia da páscoa tinha início a festa dos pães ázimos. Naquele dia a casa era cuidadosamente vasculhada e todo fermento removido. Até mesmo o chão era devidamente varrido para certificar-se que nenhuma migalha de pão fermentado havia sido deixada. Por sete dias nenhum fermento era permitido se ter em casa ou usado para fazer pão. O primeiro e o sétimo dia era dia de santa convocação. Sabendo que o fermento simboliza o pecado, temos aqui várias aplicações:

P. A páscoa era um símbolo da redenção. A redenção trás a purificação dos nossos pecados (Hebreus 9:14). Aqueles que confiam em Cristo, irão através do arrependimento, varrer o fermento do pecado de suas vidas.

Q. Nós que somos remidos, precisamos ser cuidadosos em conservar o fermento do pecado fora de nossas vidas (II Timóteo 2:22).

R. Aqueles que “comessem pão levedado” deveriam ser cortados da Assembléia (versículo 19). Da mesma forma, aqueles que entram na igreja do Senhor pelo batismo, estão declarando ser remidos pelo sangue de Cristo. Pelo arrependimento, o fermento foi varrido de suas vidas. Portanto, se mais tarde eles começarem a reintroduzir o fermento do pecado em suas vidas e entre a membresia, eles terão que prestar contas disso (Gálatas 6:1, I Timóteo 5:20). E se eles não demonstrarem arrependimento, deverão ser cortados do privilégio da comunhão do ajuntamento (I Coríntios 5:1-13).

IX. INFORMAÇÕES ADICIONAIS A RESPEITO DA PÁSCOA – VERSÍCULOS 21-23

S. No versículo 21 o cordeiro é chamado de “páscoa”. Isto está em concordância com o Novo Testamento (I Coríntios 5:7). Cristo não ajuda na salvação, pois Ele mesmo é a nossa Salvação. Somente nEle é que somos aceitos por Deus e perdoados de nossos pecados (Mateus 1:21).

T. O sangue do cordeiro foi aplicado nos umbrais da porta com hissopo. Esta era uma pequena planta apropriado para este propósito. Em outras partes do Velho Testamento ela está associada com o poder purificador do sangue (Levítico 14:2-7, Números 19:18-19, Salmo 51:7).

O hissopo era sem dúvida uma figura da fé. Cristo morreu, mas a salvação não vem a nós até que pela fé nós recebamos os benefícios do Seu sangue derramado (Romanos 3:25, Efésios 2:8-9). Pela fé o sangue é aplicado e nós somos limpos. Até mesmo o arrependimento e a humildade que acompanham a verdadeira fé são ilustrados pela aparência insignificante desta planta (I Reis 4:33). Não é grande fé, mas a fé no grande Salvador que salva.

U. Estas passagens revelam a segurança do povo de Deus. Ninguém deveria sair de suas casas, e o anjo destruidor não entraria para dentro. Quando tudo tinha terminado, não havia nem mesmo um Israelita morto (Êxodo 11:7). Deus havia escolhido, remido e guardado Seu povo. A fé salvadora vem de Deus e nunca abandona a Cristo (I João 5:4, I Pedro 1:5).

X. DEUS MANTÉM SUA PALAVRA – VERSÍCULOS 29-36

Uma dependência absoluta pode ser colocada na Palavra de Deus. Tudo aconteceu como Deus havia prometido. O julgamento veio, Israel foi empurrado para fora do Egito mas saiu com grande riqueza (Gênesis 15:13-14).

XI. DEIXANDO O EGITO – VERSÍCULOS 37-39

Cerca de dois milhões de pessoas marcharam para fora do Egito sendo apressados pelos Egípcios que temiam para Israel ficar por mais algum tempo (versículo 33). É difícil para nós imaginarmos como foi tal situação. Somente a intervenção de Deus através das pregas é que poderia preparar os nervos de Israel para este momento, e somente a fé poderia sustentá-los. Não é difícil imaginar a murmuração que ocorreu após alguns dias quando muitos começaram a imaginar se eles estavam ou não em uma viagem insana. Somente a fé é contente em seguir Deus e confiar nEle para suprir todas necessidades.

Acrescentando as dificuldades enfrentadas por Moisés, era a presença de uma multidão mista que acompanhou Israel na saída do Egito. Este grupo possivelmente continha escravos e Egípcios descontentes que estavam alegres por ter a chance de deixarem o Egito. Quando Satanás não consegue manter os remidos no Egito, ele envia uma multidão mista para Canaã. Muito dos problemas e do mundanismo na igreja, tem sua origem neste tipo de pessoas (Números 11:4). Eles professam seguir a Cristo, mas tem saudades e desejos do mundo.

XII. UMA NOITE PARA SER RECORDADA – VERSÍCULOS 40-42

A páscoa e o êxodo permanecem como um testemunho do poder de Deus para libertar Israel e como uma figura da redenção em Cristo.

XIII. A RESTRIÇÃO DA FESTA – VERSÍCULOS 43-50

Deus sempre tem sido muito cuidadoso naquelas coisas que apontam para Cristo. O amor ao Salvador deveria nos motivar a seguir o padrão divino nestes aspectos. Que as restrições de Deus contidas na páscoa possam nos lembrar da necessidade de guardarmos a Ceia do Senhor conforme as Escrituras. Muito de que é feito em guardar a páscoa corretamente tem sua aplicação na Ceia do Senhor:

V. Somente aqueles que eram circuncidados é que poderiam participar da páscoa. A circuncisão era um símbolo do novo nascimento (Colossenses 2:11) e um selo da justiça obtida pela fé (Romanos 4:11). Da mesma forma, somente aqueles que são salvos é que podem participar da Ceia do Senhor. Participar é confessar comunhão (participação) com o corpo e o sangue de Cristo (I Coríntios 10:16).

W. A nenhum estrangeiro ou viajante era permitido participar da páscoa. Eles tinham que ser previamente especificados como alguém que observaria a páscoa naquela casa. Isto também é uma verdade na Ceia do Senhor. O povo de Deus deve tomar a Ceia na igreja que tem autoridade sobre ele e está sob os seus cuidados. O tomar do único pão é professar ser membro da igreja que está observando esta ordenança (I Coríntios 10:16-17).

X. A páscoa era para ser comida em uma casa e não deveria ser levada para fora. Aquele era o lugar aonde Deus colocou o Seu nome ou autoridade (Deuteronômio 16:6). Nem mesmo um osso podia ser quebrado para que o cordeiro não fosse levado para fora da casa. (Não há duvidas de que esta ordem a respeito dos ossos tinha um significado profético – João 19:31-33).

Hoje, a Ceia do Senhor só pode ser biblicamente observada na casa de Deus (I Timóteo 3:15) por aqueles que são membros. Somente uma igreja bíblica é que pode agir em nome de Deus, pois só ela possui a autoridade para fazer o trabalho do reino de Deus (Mateus 28:19, I Coríntios 5:4, Mateus 18:15-20).

Y. Note, finalmente, que toda a congregação de Israel era para observar a páscoa. Até o nosso Senhor deleitou-se em fazer isso (Lucas 22:15). Hoje, todo verdadeiro cristão necessita ser batizado e ingressar em uma igreja onde a Ceia do Senhor é observada de modo bíblico. Quando esta ordenança é observada, a igreja toda deve estar presente (I Coríntios 11:33).

XIV. O ÊXODO – VERSÍCULO 51
Published inUm guia de estudo para o livro do Êxodo

Receba nossos informativos!

Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades:

Obrigado. Cadastro efetuado com sucesso!