Skip to content

Pergunta 72 – Como a Palavra se torna eficaz para a salvação?

72. Pergunta. Como a Palavra se torna eficaz para a salvação?

Resposta. O Espírito de Deus faz a leitura, mas especialmente a pregação da Palavra, meios eficazes de convencer e converter os pecadores (1), e de edificá-los em santidade (2), pela fé para a salvação (3).

1. Salmos 19.7, “A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel, e dá sabedoria aos símplices.”

2. I Tessalonicenses 1.6, “E vós fostes feitos nossos imitadores, e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo.”

3. Romanos 1.16, “Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que nele crê; primeiro do judeu, e também ao grego.”

A Pregação da Palavra de Deus

Deus quer usar a pregação da Palavra de Deus na chamada dos seus eleitos à salvação. Dessa vontade somos confiantes pelo exemplo de Cristo e dos Seus discípulos, pelo Seu mandamento aos discípulos e pelo raciocínio inspirado na Bíblia (II Ts 2.13, 14).

Cristo é o próprio Verbo que Deus usa para chamar os Seus eleitos à salvação (Jo 1.1,14; II Co 4.6). Cristo empregava a pregação de toda parte da Palavra de Deus no Seu ministério publico (Mc 2.2, “e anunciava-lhes a palavra”; Lc. 5.1; 24.27, 44, “de mim estava escrita na Lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos”; Jo 12.48, “a palavra que vos tenho pregado”; 14.24, “a palavra que ouviste não é minha, mas do Pai que me enviou.”; 15.3, “Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado.”). Como Cristo é feito “Espírito vivificante” (I Co 15.45) Ele vivifica os Seus pela Palavra de Deus (I Pe 1.23-25; Tg 1.18). O exemplo do próprio Cristo em usar a Palavra de Deus na sua evangelização é uma forte lição para nós.

Versículo para Memorizar: Salmos 19.7, “A lei do SENHOR é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel, e dá sabedoria aos símplices”.

Os discípulos nos dão exemplo do uso da Palavra de Deus também. Os discípulos eram “ministros da Palavra” (Lc. 1.2) anunciando “o evangelho de Deus” em todo lugar que foram (I Ts 2.2; At 8.4; 11.19, 20; 14.7; 20.27, “todo o conselho de Deus”). Não foram “palavras persuasivas de sabedoria humana” que compunha o conteúdo das pregações (I Co 2.4) mas a mensagem de Jesus Cristo “segundo as Escrituras” (I Co 2.1-5; 15.3-4). A pregação da Palavra de Deus basta. Pela pregação da Palavra de Deus os discípulos alvoroçaram o mundo (At 17.6), testemunharam de Cristo (At 1.8) e pelo o Espírito Santo usando a Palavra pregada, todos quantos estavam ordenados para a vida eterna creram (At 13.48). Se queremos ter o poder de Deus operando entre nós, devemos restringir-nos ao uso exclusivo da Palavra de Deus. Ela é o poder de Deus para a salvação (Rm 1.16).

O mandamento de Cristo para que os seus preguem é prova que Deus quer usar a pregação da Palavra de Deus na chamada dos seus eleitos à salvação ainda. Cristo mandou os seus a pregarem o evangelho a toda a criatura (Mt 28.18-20, “vos tenho mandado” – Jo 14.26; 15.15; Mc 16.15; Lc. 24.47). Essa comissão aos que formaram a igreja primitiva é a comissão de todos os membros do mesmo tipo de igreja, que querem ser obedientes ainda hoje (Mt 28.20, “até a consumação dos séculos”; II Tim 2.2; 4.2-5). Devemos sempre nos relembrar que Cristo é declarado pela pregação e é a pregação que Deus usa para salvar os Seus (I Co 1.21-24; Tt 1.1-3). Não devemos pensar, nem um pouco, que são nossas invenções, idéias, promoções ou aspirações que devemos aprimorar para a declaração da Palavra de Deus, mas, pelo contrario, é exclusivamente a pregação da Palavra de Deus que somos mandados a pregar. Se quiser ver os ‘seus’ virem a Cristo, pregue a Palavra.

O raciocínio inspirado da Bíblia prova que Deus quer usar a pregação da Palavra de Deus na chamada dos seus eleitos à salvação. É a palavra que testifica de Cristo (Jo 5.39) e que leva a vida ao solo antes preparado por Deus (Mt 13.23; I Co 3.6). Não há fé sem ouvir a Palavra de Deus (Rm 10.13-14, 17; Ef. 1.13, “depois que ouvistes a palavra da verdade”; Tg 1.18). Quando o rico se interessava que os seus cinco irmãos não viessem ao inferno, a Palavra de Deus foi dada como suficiente para isso (Lc. 16.29). Ela é superior até de um ressuscitado voltando ao mundo (Lc. 16.30,31). Há uma incumbência para pregarmos o evangelho, não somente pelo mandamento de Cristo, mas pelo perigo pessoal e social da verdade ser encoberta se ela não for pregada (I Co 9.16; II Co 4.3).

Os que querem usar a doutrina da eleição para não pregar aos que nunca ouviram não estão manejando bem a palavra da verdade. A eleição não é salvação mas “para a salvação” e essa salvação é pela fé na verdade que é apresentada pela Palavra de Deus (II Ts 2.13, 14, “para o que pelo nosso evangelho vos chamou”; Rm 10.13-14, “como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue?”). Não precisamos entender como Deus usa a Sua Palavra para dar vida. Somente devemos entender a nossa responsabilidade em pregá-la a toda a criatura e pedir que Deus nos dê o Seu crescimento por ela (I Co 3.6).

Versículo para Memorizar: Salmos 19.7, “A lei do SENHOR é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel, e dá sabedoria aos símplices”.

É a Palavra de Deus que é descrita como comida e é comparada ao leite racional (I Pe 2.2), ao mel (Sl 19.10) e ao mantimento sólido pelo qual os sentidos são exercitados (Hb 5.12-14; Jer 15.16). Não é qualquer livro que foi dado pelo Espírito Santo, mas somente a Bíblia (II Pe 1.20,21). Sendo assim, ela é a lei do SENHOR que é perfeita e, portanto, aquilo que refrigera a alma. É somente o testemunho do SENHOR que é fiel, e, portanto, somente ela dá sabedoria aos símplices. São exclusivamente os preceitos do SENHOR que são retos, e sendo assim, só eles alegram o coração. É o mandamento do SENHOR que é puro, e por isso, apenas ele ilumina os olhos. É o temor do SENHOR que é limpo, e, por conseguinte, aquilo que permanece para sempre. São os juízos do SENHOR que são verdadeiros, e, portanto, apenas estes são justos (Sl 19.7-9). Por essas razões as Divinas Escrituras são comparadas e tidas por mais preciosas do que ouro fino (Sl 19.10). Se tiver necessidade de luz para o caminho, olhe para os justos juízos de Deus (Sl 119.105). Se desejar quebrar os maus hábitos ou relacionamentos, aplique o martelo das palavras divinas na situação (Jer 23.29). A água da Palavra de Deus pode fazer muito em nos limpar (Sl 119.9; Ef 5.26). Devem ser aplicados o espelho e a espada da Palavra de Deus que são vivos e eficazes se desejar o discernimento dos pensamentos e das intenções do coração (Tg 1.23; Hb 4.12). As sagradas Escrituras podem fazer o menino sábio para a salvação e fazer tudo para que ele seja perfeitamente instruído para toda a boa obra (II Tim 3.15,16).

Versículo para Memorizar: Salmos 19.7, “A lei do SENHOR é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel, e dá sabedoria aos símplices”.

Compilado pelo Pastor Calvin Gardner
Correção gramatical: Edson Elias Basílio, 04/2008 e
Robson Alves de Lima 11/2011 Fonte: www.PalavraPrudente.com.br

Published inBíbliaCatecismo de C. H. Spurgeon

Receba nossos informativos!

Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades:

Obrigado. Cadastro efetuado com sucesso!