Skip to content

Pergunta 7 – Quais são os decretos de Deus?

7. Pergunta. Quais são os decretos de Deus?

Resposta. Os decretos de Deus são Seu propósito eterno de acordo com o conselho de Sua própria vontade, pelo que por Sua própria glória Ele predestinou tudo o que haveria de acontecer (1).

7.1. Efésios 1.11-12, “Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade; com o fim de sermos para louvor da sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo.”

Versículo para memorizar: Ef 1.11, “Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade”

Os Decretos de Deus

C. D. Cole

Pelo termo “decreto de Deus” queremos significar o propósito ou determinação em relação a acontecimentos futuros. Isto diz que coisas acontecem de acordo com o propósito divino e não pelas leis fixas da natureza ou destino ou acaso. Negar os decretos ou a pré-ordenação de Deus é quase destroná-Lo. Tal ato O colocaria na reserva como expectador interessado no que acontece, mas sem poder agir – C. D. Cole

“Um universo sem decretos seria tão irracional e espantoso quanto um trem na escuridão sem luz e sem condutor, e sem certeza de que no momento seguinte ele não cairia no abismo.” A. J. Gordon.

Planos e propósitos nossos, tornar-se-ão somente ao fim predeterminado por Deus. Henry.

“Damos graças pelas bênçãos que vem a nós pelas livres ações dos outros, mas se Deus não houvesse proposto estas bênçãos, então graças deveriam ser dadas a outros e não a Deus.” A. H. Strong.

As Escrituras mencionam os decretos de Deus em várias passagens, sob diversos termos. A palavra “decreto” é encontrada no Salmo 2.7. Em Efésios 3. l1, lemos de Seu “eterno propósito”; Em Atos 2.23 de Seu “determinado conselho e presciência”; Em Efésios 1.9 de “Sua vontade segundo o seu bom prazer (beneplácito).” Os decretos de Deus são chamados Seu “conselho” para significar que são perfeitamente prudentes. São chamados de Sua “vontade” para mostrar que Ele não estava sob o controle de outro, mas agiu de acordo com Seu prazer. Quando a vontade de um homem é sua regra de conduta, sua conduta é geralmente caprichosa e irracional; mas a sabedoria encontra-se sempre associada com a “vontade” nos procedimentos divinos, e assim, os decretos de Deus são ditos para sempre serem o conselho de Sua própria vontade.” A. W. Pink.

Victor Hugo, reconhecendo a governante mão divina, disse, “Waterloo foi Deus.” Deus no exercício de Sua infinita sabedoria, dirige pessoalmente e controla as livres ações dos homens de maneira a determinar todas as coisas de acordo com Seu eterno propósito. E. H. Bancroft.

Os Decretos de Deus São Eternos

C. D Cole

Se Deus tem qualquer propósito nos acontecimentos do universo, tal propósito teria por necessidade de ser eterno. Negar este fato é supor que algum evento não previsto fizera com que Deus mudasse Seu propósito. Todos os propósitos de Deus foram feitos em sabedoria, e sendo que Ele tem o poder necessário para executá-los, não há motivos para mudanças. “… que faz todas estas coisas que são conhecidas desde a antiguidade; que Eu sou Deus, e não há outro deus, não há outro semelhante a mim; que anuncio o fim desde o princípio e desde a antiguidade as coisas que ainda não aconteceram; que digo: o meu conselho será firme, e farei toda minha vontade”, Isaías 46.9-10.

Versículo para memorizar: Ef 1.11, “Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade”

A Predestinação Absoluta

Alexandre Galante

O fundamento da doutrina da predestinação é uma doutrina bíblica de Deus. Ele é o Eterno, acima e além do tempo e do espaço, porque nunca houve um tempo quando Ele não existia, de modo que Ele não está sujeito a mudanças de tempo e de lugar (Ml 3.6; Rm 1.20-21; Dt 33.27; Is 57.15). Além disso, Deus é soberano sobre todas as coisas como o Criador, o Sustentador e o Governante do universo. Ele é soberano sobre tudo (Dn 4.34-35; Is 45.1; Rm 9.17; Ef 1.11). Deus é também soberanamente justo, de modo que tudo quanto Ele faz está de acordo com a perfeição da Sua natureza (Jr 23.6; 33.16; Rm 1.17; 10.3; 2 Pe 1.1). Na eternidade, Ele estabeleceu Seu próprio plano e propósito soberano, e isso está totalmente acima de qualquer coisa que o homem pode cogitar, imaginar ou compreender. O homem, portanto, pode conhecer o plano de Deus somente à medida que Ele o revela (Jr 23.18; Dt 29.29; Sl 33.11; Is 46.10; 55.7; Hb 6.17).

A doutrina da predestinação refere-se primeiramente ao fato de que o Deus Trino e Uno preordena (ou predestina) de modo soberano tudo o que virá a acontecer na história (Ef 1.11, 22; Sl 2).

O ensino da predestinação revelado nas Escrituras começa com o relato da Queda do homem no Éden, evento que fazia parte do Seu plano eterno, pois Deus nunca é surpreendido por coisa alguma. Ao mesmo tempo, conforme o apóstolo Paulo indica em Rm 1.18, a recusa do homem em reconhecer a Deus como soberano e sua cegueira deliberada diante dos mandamentos de Deus, trouxeram sobre a humanidade a ira e a condenação divinas. Todos os seres humanos estão tão corrompidos que se recusam a reconhecer que Deus é Senhor e que eles mesmos são apenas criaturas.

Entretanto, pela Sua infinita graça, tão logo o homem pecou, Deus prometeu um Redentor que esmagaria o tentador e traria restauração (Gn 3.15). Assim, o propósito da redenção foi entrelaçado na história humana desde o princípio.

Os que crêem nas doutrinas da eleição e predestinação reconhecem que a sabedoria e a graça de Deus estão além da compreensão humana e que devemos curvar-nos diante d’Ele em adoração e louvor, como Paulo fez ao encerrar a exposição dessas verdades (Rm 11.33-36). Aqueles que assim fazem têm dentro de si um senso de conforto e fortaleza que não vem deles mesmos, mas que é um dom de Deus para capacitá-los a enfrentar o mundo com confiança e paz de Espírito – Alexandre Galante

Versículo para memorizar: Ef 1.11, “Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade”

Deus tem decretado que o fim do pecado é a morte para todo e qualquer pecador – Ez 18.20

Deus tem dado o Seu Filho, Jesus Cristo, sem pecado, para ser o único Salvador do pecador – Jo 14.6

Por Cristo Deus justifica todo e qualquer pecador que se arrependa dos seus pecados e crê nEle pela Fé – II Co 5.21

Deus tem decretado que os em Cristo tenham a vida e os que fora de Cristo não tenham a vida – Jo 3.36

Portanto, se arrependa e creia pela fé em Cristo já!

Compilado pelo Pastor Calvin Gardner
Correção gramatical: Edson Elias Basílio, 04/2008 e
Robson Alves de Lima 11/2011 Fonte: www.PalavraPrudente.com.br

Published inBíbliaCatecismo de C. H. Spurgeon

Receba nossos informativos!

Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades:

Obrigado. Cadastro efetuado com sucesso!