Skip to content

Pergunta 26 – Em que consiste a humilhação de Cristo?

26. Pergunta. Em que consiste a humilhação de Cristo?

Resposta. A humilhação de Cristo consiste em ter nascido, em humilde condição (1), sob a lei (2), sofrendo as misérias desta vida (3), a ira de Deus (4), a maldição da morte na cruz (5), ao ser sepultado, e por um tempo continuar sob o poder da morte (6).

Filipenses 2.6,7, “Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;”

Como Adão pecou e caiu por deixar de ser aquele servo devido ao seu Deus, uma atitude propícia à sua natureza para tentar a ser algo oposto à sua primeira condição, algo não consistente com a sua natureza original; assim o Filho de Deus, o segundo Adão, nos resgatou por descer de um estado de domínio completo, que era propício ao Ele devido à Sua natureza, para tomar a forma de servo, que não era a Sua posição original, nem algo que Ele merecia.

Sendo que este estado de servo era inconsistente com a Sua própria natureza, Ele esvaziou-se a Si mesmo, fazendo a natureza de homem a ser Sua.

Nessa humilhação auto imposta, Cristo se abaixou tanto quanto Adão quis se erguer no seu orgulho e auto-exaltação. Essa auto-humilhação de Cristo em ser igual ao um servo e na forma de homem, não pertenceu a Cristo como, na mesma medida, na auto-exaltação de Adão, não pertenceu a Adão a ser como Deus ou igual a Deus. (John Owen, Cristologia, pg.157-160)

Hebreus 2.17, “Por isso convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo.”

26.1. A humilhação de Cristo consiste em ter nascido, em humilde condição…

Lucas 2:7. “E deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-se numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem.”

Filipenses 2:7,8 “um servo …” Deus, para reprovar o plano de Satanás e a sua tentação ao homem, elevou e glorificou a posição de obediência, de um servo, por trazer o Seu eterno Unigênito Filho de Deus a submeter-se à tal posição. Quando Cristo esvaziou-se e tomou a forma de servo, Ele fez a posição de servo a ser mais gloriosa e excelente que jamais poderia ser. Isso Ele fez para nos resgatar (John Owen, Cristologia, pg. 163).

26.2. sob a lei

Gálatas 4:4. “Deus enviou seu filho, nascido de mulher, nascido sob a lei.”

O pecado do homem pode ser resumido pela palavra desobediência. Foi uma desobediência daquele que era responsável, em todas as maneiras e em tudo, à obediência perfeita. O homem, em tudo que era, com tudo que recebeu de Deus, pelo seu relacionamento com O Criador, era obrigado à obediência completa. Seu pecado então foi grossa desobediência que feriu o seu ser e o seu relacionamento para com Deus. A sua salvação dessa desobediência somente pode ser pela obediência. Se não tiver uma obediência completa e perfeita à lei de Deus, na natureza que pecou, não haverá salvação diante do Deus ofendido pela desobediência. Essa obediência salvadora somente poderia ser consumada por Aquele que não foi obrigado à obediência Este seria por Aquele quem é Deus, e somente poderia ser consumada por Aquele que era homem. Portanto, para haver perfeita obediência, Aquele que, como Deus, era superior à lei e também, como homem, sob a lei, Cristo se humilhou.

Se não fosse sob a lei, a Sua obra na cruz não seria vista por Deus como obediência. E se Cristo não fosse superior à lei, a Sua obra na cruz não teria efeito ao pecador.

O pecado de Adão, como todo e qualquer pecado, foi a falta de conformidade, ou submissão, à lei de Deus em conjunto ao propósito de ser acima da lei ao ponto de desejar de não precisar submeter-se a nada.

Esse pecado foi eliminado pela obediência de Cristo, Quem era superior à lei, e não responsável à obediência dela, quando se submeteu, se humilhou, a ser nascido sob a lei (Gálatas 4.4). Foi em toda parte dela, ser obediente até à morte, e morte de cruz (Gálatas 3.13). Tudo isso é tratado por Paulo em Romanos 5.12-21.

26.3. sofrendo as misérias desta vida

Isaías 53:3. “Era desprezado, e o mais indigno entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos.”

Jesus Cristo, que foi o deleite de Seu Pai pela eternidade passada; sendo o objetivo do amor do Pai constantemente (Provérbios 8.30, “Então eu estava com ele, e era seu arquiteto; era cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo;”) se humilhou para ser desamparado pelo Pai para a salvação dos que o Pai deu a Ele (João 17.6,12; 18.9). Ele veio de um ambiente onde tudo operava segundo a santa vontade de Seu Pai, para vir ao mundo amaldiçoado, visitando o homem pecador, incrédulo e ingrato, sendo mal entendido, rejeitado pelo que era Seu (João 1. 11, “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.”). Na sua humilhação o Filho de Deus sofreu fome, sede, canseira, e por última, a vergonha de um processo injusto que levou Ele a sofrer a condenação e cruel morte de um pecador maldito, entregue a isso por um dos Seus.

Para a glória de Deus, a pessoa de Cristo, na sabedoria infinita, pela Sua humilhação era capaz de ser um Mediador e Salvador para com Deus no lugar do homem. Isto foi possível pela Sua filiação a Deus e pela sua irmandade com o homem (Hebreus 2.14). Pela dignidade da Sua pessoa, pelos sofrimentos temporários dAquele que é infinito e eterno, Cristo compensou por completo todos os sofrimentos eternos do homem quem era finito (John Owen, pg. 162)

26.4. a ira de Deus

Mateus 27:46. “E perto da hora nona exclamou Jesus em alta voz, dizendo: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”

26.5. a maldição da morte na cruz

Filipenses 2:8. “E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.”

26.6. ao ser sepultado, e por um tempo continuar sob o poder da morte

Mateus 12:40. “Pois, como Jonas esteve três dias e três noites no ventre na baleia, assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra.” Uma prova da Sua humanidade e da Sua humilhação foi a Sua submissão à morte e ao túmulo.

Como Cristo não tinha um lugar para descansar a Sua cabeça, uma prova da Sua humilhação, Ele também não tinha um lugar para ser sepultado a não ser num tumulo emprestado.

Conclusão: Deus, contra Quem pecamos, tem se abaixado em tratar conosco, fazendo a salvação através Seu Filho precioso, para todos aqueles que se arrependem e crêem no Seu Filho. Se Cristo for rejeitado, não há outra maneira para o pecador ser salvo. Se Ele for rejeitado, a condenação será do pior tipo, Hebreus 12.25, 29 (John Owen, pg. 162)

Compilado pelo Pastor Calvin Gardner
Correção gramatical: Edson Elias Basílio, 04/2008 e
Robson Alves de Lima 11/2011 Fonte: www.PalavraPrudente.com.br

Published inBíbliaCatecismo de C. H. Spurgeon

Receba nossos informativos!

Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades:

Obrigado. Cadastro efetuado com sucesso!