Skip to content

Pergunta 13 – Nossos primeiros pais continuaram no estado em que foram criados?

13. Pergunta. Nossos primeiros pais continuaram no estado em que foram criados?

Resposta. Nossos primeiros pais, recebendo a liberdade da própria vontade, caíram do estado em que foram criados, ao pecarem contra Deus (1), comendo o fruto proibido (2).

Versículo para memorizar: Rm 3.23, “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”;

13.1. Nossos primeiros pais, recebendo a liberdade da própria vontade, caíram do estado em que foram criados, ao pecarem contra Deus (1), comendo o fruto proibido (2).

Eclesiastes 7.29, “Eis aqui, o que tão-somente achei: que Deus fez ao homem reto, porém eles buscaram muitas astúcias.”

Sendo mutável, só podia permanecer firme no seu estado original pelo poder de Deus. Nada fica na sua própria força inalterado exceto aquilo que é imutável. As perfeições do homem eram criadas e, portanto não eram imutáveis. Se não forem preservadas pelo propósito e poder de Deus poderiam ser perdidas – Boyce, pg. 231.

Deus podia justa e santamente permitir a Adão cair se Lhe agradasse. Desde que Deus permitiu o pecado, ninguém objeta à permissão da queda, salvo aqueles que queiram criticar Deus. Deus, tendo escolhido permitir a queda, retirou de Adão o Seu poder sustentador e a natureza de Adão degenerou tanto como o universo inteiro cairia aos pedaços se Deus retirasse o Seu poder sustentador e conservador por um só instante – T. P. Simmons, pgs. 183-184.

Perdição é uma palavra forte. Mas a perdição entrou em Adão e em Eva no dia que comeram deste fruto proibido. Perderam a paz e a alegria de comunicar com O Criador na viração do dia. Perderam a consolação de uma consciência que não acusava nenhuma possibilidade de culpa, medo, tristeza ou dor. Agora com um único pecado, a humanidade entrou na perdição.

A comunhão com Deus tornou-se medrosa (Gn 3.8-10); A amizade com Deus tornou-se inimizade (Rm 5.6-8); A submissão gratificante a Deus tornou-se rebeldia contra a Sua glória e governo; A beleza da perfeição trocou-se para corrupção, dissolução, enfermidade e tristeza. A presença graciosa trocou-se pela separação (Gn 3.22-24); As perfeições tornaram-se vaidades e o homem ficou destituído da glória de Deus (Rm 3.23); a vida cedeu-se para a morte (Ez 18.20; Rm 5.12).

Se não fosse pela misericórdia de Deus em fazer a salvação pelo Seu unigênito Filho Jesus Cristo como substituto único o homem não teria nenhuma esperança de salvação. Essa esperança está em Cristo (Jo 3.16) para todos os pecadores que se arrependem e crêem pela fé nEle.

Não há necessidade de continuar um rebelde, inimigo, separado e destituído da glória de Deus. Há salvação em Cristo Jesus! Se estiver oprimido pelo seu pecado e cansado, Jesus diz “Vinde a Mim!” (Mt 11.28-30; Is 55.1-7). Venha se arrependendo dos seus pecados e crendo pela fé em Cristo Jesus!

Versículo para memorizar: Rm 3.23, “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”;

13.2. Nossos primeiros pais, recebendo a liberdade da própria vontade, caíram do estado em que foram criados, ao pecarem contra Deus (1), comendo o fruto proibido (2).

Gênesis 3.6-8, “E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela. Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais. E ouviram a voz do SENHOR Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher da presença do SENHOR Deus, entre as árvores do jardim.”

A primeira transgressão entre os homens foi a rejeição da autoridade de Deus (“Vendo a mulher” – julgou por si mesma o que era bom), usurpou a Sua prerrogativa (“agradável aos olhos” – a natureza do homem tornou a regra de ação), e deixou as suas mentes ao domínio do desejo natural (“para dar entendimento” – ser independente da sabedoria divina) – Dagg, pg. 122.

A narrativa do Gênesis não faz uma diferença vital entre Adão e Eva na queda, mas uma distinção está claramente apresentada em 1 Timóteo 2.14. Diz que Eva foi enganada e Adão não. Isto quer dizer que Eva caiu em transgressão porque ela foi levada a pensar que o aviso de Deus não era verdade e que ela não morreria como uma penalidade por participar do fruto proibido. Com Adão foi diferente: ele não duvidou da Palavra de Deus; ele pecou porque preferiu ser expulso do Éden com sua esposa antes que ficar no Éden sem sua esposa.

Muitas vezes se pensa que os fatos acima ligam maior culpa ao pecado da mulher do que ao pecado de Adão. Mas o oposto é verdade. O homem pecou por meio da escolha voluntária e cônscia da amizade de sua esposa, antes que a de Deus. Nada disto foi verdade do pecado de Eva. T. P. Simmons, pgs. 185.

O jardim de Éden não era mais o seu lar pois sacrificaram todas as suas deleites e perderam todos os seus prazeres. Aprenderam pela experiência aguda e agonizante a lição que toda a sua posteridade está aprendendo desde aquele dia até agora, ou seja, “que mal e quão amargo é deixares ao SENHOR teu Deus, e não teres em ti o meu temor”, Jr 2.19 – Pendleton, pg. 167.

Versículo para memorizar: Rm 3.23, “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”;

Compilado pelo Pastor Calvin Gardner
Correção gramatical: Edson Elias Basílio, 04/2008 e
Robson Alves de Lima 11/2011 Fonte: www.PalavraPrudente.com.br

Published inBíbliaCatecismo de C. H. Spurgeon

Receba nossos informativos!

Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades:

Obrigado. Cadastro efetuado com sucesso!