Skip to content

Pergunta 12 – Que ato especial da providência Deus exerceu sobre o homem no estado em que foi criado?

12. Pergunta. Que ato especial da providência Deus exerceu sobre o homem no estado em que foi criado?

Resposta. Quando Deus criou o homem, fez um pacto de vida com ele, tendo como condição uma obediência perfeita (1); proibindo-o de comer da árvore do conhecimento do bem e do mal, sob a pena de morte (2).

O Que É um Pacto ou Aliança? Na forma mais simples uma aliança ou pacto, é um contrato entre dois ou mais grupos pelo qual algo deve ser feito recebendo por isso, galardões e penalidades.

Podem ter mudanças nas exigências e conseqüências e ainda ser uma aliança. Podem ter galardões e nenhuma penalidade, ou vice-versa. Também, em vez de uma consulta mútua, o contrato pode ser firmado através de mandamento dado e aceito. A lei existente entre um governo e seus cidadãos é uma aliança. A existência de uma Lei dada por Deus como O Legislador superior é admitida junto com as suas sanções e penalidades, e, como nas leis humanas, há obrigação natural de obedecer mesmo sem uma concordância formal entre as partes. Essas qualidades aplicam mais à aliança das obras dada a toda a humanidade como uma lei geral para obter e manter a vida espiritual do que à aliança entre Deus e os Seus eleitos.

As “duas alianças” (Gn 4.22-31) consistem da graça e das obras. A da graça é a aliança da redenção feita por Deus com Seus eleitos, ou melhor, com Cristo, o Segundo Adão, como representante destes. A das obras é a aliança da Lei entre Deus e toda a humanidade pelo primeiro Adão, seu representante federal – Boyce, pgs 234-235.

Versículo para memorizar: Gênesis 2.17, “Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”

12.1. Quando Deus criou o homem, fez um pacto de vida com ele, tendo como condição uma obediência perfeita (1); proibindo-o de comer da árvore do conhecimento do bem e do mal, sob a pena de morte (2).

Gálatas 3.12, “Ora, a lei não é da fé; mas o homem, que fizer estas coisas, por elas viverá.”

A plena paz com Deus manifesta na doce comunhão e alegria de comunicar com a Voz de Deus na viração de cada dia e a justiça que tinha Adão e Eva, nossos primeiros pais, foi possível somente dentro das condições do pacto de vida. Esse pacto durava tanto quanto a condição de perfeita obediência foi obedecida.

As árvores no meio do jardim trazem ensinamentos importantes. A da vida era o símbolo do favor divino; a do conhecimento do bem e do mal simbolizava a prerrogativa de Deus, ou seja, a Sua soberana vontade. Tendo as duas proximidade de uma a outra relembrava permanentemente ao Adão e a Eva que o favor de Deus podia ser desfrutado somente enquanto respeitava a prerrogativa de Deus – Dagg, pg. 122.

Versículo para memorizar: Gênesis 2.17, “Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”

12.2. Quando Deus criou o homem, fez um pacto de vida com ele, tendo como condição uma obediência perfeita (1); proibindo-o de comer da árvore do conhecimento do bem e do mal, sob a pena de morte (2).

Gênesis 2.17, “Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”

O pacto de vida ditava que a morte viria no dia que comesse da árvore “do conhecimento do bem e do mal” (Gn 2.17). Quem podia pensar que a satisfação de ter paz com O Criador cada momento da sua existência para todo o sempre dependia na obediência de um mandamento tão fácil de observar? Mas assim foi esse pacto que Deus manteve com o homem que Ele criou na Sua imagem conforme a Sua semelhança (Gn 1.26).

Todavia, Deus fez Adão ser homem e não Deus. As perfeições que Adão gozava não eram partes da essência de homem mas dadas por Deus a ele. Deus é imutável, mas, Adão era mutável. Adão podia perder a sua santidade e justiça. E essa mudança aconteceria no dia que comesse daquela árvore.

Versículo para memorizar: Gênesis 2.17, “Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”

Compilado pelo Pastor Calvin Gardner
Correção gramatical: Edson Elias Basílio, 04/2008 e
Robson Alves de Lima 11/2011 Fonte: www.PalavraPrudente.com.br

Published inBíbliaCatecismo de C. H. Spurgeon

Receba nossos informativos!

Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades:

Obrigado. Cadastro efetuado com sucesso!