Skip to content

Estudo sobre Gênesis 44

[Índice]

INTRODUÇÃO

Em Gênesis 43:34, José testou seus irmãos para ver se eles ainda eram controlados pela inveja. Neste capítulo, o teste é mais rigoroso ainda. Eles realmente amavam Benjamim? Eles estavam dispostos a saírem livres e deixá-lo para ser escravo? Este teste provou que eles realmente eram homens mudados. Judá, em especial, demonstrava ser um homem transformado.

I. MAIS UM TESTE – VERSÍCULO 1-5.

Não era vingança, mas o desejo de conhecer realmente seus irmãos, o verdadeiro motivo por detrás dos planos de José. Ele encenou seu papel corretamente e demonstrou grande força de caráter e autocontrole. Ele teria sido imprudente de se tivesse se revelado aos seus irmãos antes de conhecer o caráter deles.

Várias vezes nas Escrituras somos alertados a não colocarmos a nossa confiança em pessoas que desconhecemos o caráter [Provérbios 11:15]. Aqueles são chamados ao ministério devem ser especialmente provados [I Timóteo 3:6]. Somente as provas podem expor verdadeiramente os corações dos homens [Deuteronômio 8:2].

O sentido do versículo 5 é de alguma maneira discutível. Talvez a palavra “adivinha” fosse usada porque os Egípcios não eram familiarizados com o conceito da verdadeira profecia. Por outro lado, José pode ter ido muito longe ao fingir ser um adivinhador pagão.

II. PEGOS NA ARMADILHA DE JOSÉ – VERSÍCULOS 6-13.

Que desespero os irmãos de José devem ter sentido. Eles sabiam que eram inocentes, mas pareciam sentir que estas provas de alguma forma eram o julgamento de Deus sobre seus antigos pecados. Sem dúvida, José colocou o dinheiro nos sacos para que eles soubessem que Benjamim era inocente. Eles veriam que alguém mais tinha manuseado as sacolas.

III. PASSANDO NO TESTE – VERSÍCULOS 14-17.

Os irmãos foram convencidos de que estas provas eram uma justa retribuição, mesmo sabendo que eram inocentes quanto ao que ocorreu. Eles não culparam Benjamim, mas parecem ter visto a mão de Deus em tudo isso. Paciência sob julgamento é uma obra do verdadeiro arrependimento [Salmo 51:3-4].

No versículo 17 José força a situação e os coloca em um verdadeiro teste. Eles ficariam ao lado de Benjamim arriscando o próprio futuro deles.

IV. JUDÁ INTERCEDE – VERSÍCULOS 18-34.

Nenhum advogado faria melhor defesa do que Judá. Martinho Lutero desejava orar para Deus como Judá suplicou diante de José. Para a eloquência de homem e de discursos empolgantes, este discurso é inigualável. Até mesmo o pensamento de causar alguma dor ao seu pai era intolerável para Judá. Ele verdadeiramente era um homem mudado. Ele realmente tornou-se um líder entre os seus irmãos [Gênesis 49:8-12].

V. PARALELOS INTERESSANTES:

Vemos nesta história, que a participação de Judá é uma figura da obra redentora de nosso Senhor Jesus Cristo. Note algumas das grandes verdades do Evangelho que podem ser vistas aqui quando vemos Judá como uma figura de Cristo:

A. Tanto Judá quanto o Senhor Jesus pertenceram a tribo de Judá [Gênesis 49:8-10; Apocalipse 5:5]. É claro que Judá foi o pai da tribo.

B. Judá se tornou uma garantia para o seu irmão mais novo [Gênesis 43:8-9]. O Senhor Jesus se tornou o fiador dos seus irmãos mais novos [Hebreus 7:22 e 2:11; Romanos 8:29].

C. Judá se tornou uma garantia para o seu pai. Ele aceitou ser responsável por Benjamim e respondeu ao seu pai pela segurança dele. Jesus Cristo se tornou a nossa garantia para o Pai. Ele se responsabilizou por Seu povo. Isto é ilustrado na passagem a respeito do Bom Pastor [João 10:11-14, 28-29].

D. Judá se tornou uma garantia para Benjamim antes mesmo dele estar envolvido em confusão ou ir ao Egito (que é uma figura do mundo). O Salvador se tornou a nossa garantia antes mesmo que nós nascêssemos neste mundo ou pecássemos [Efésios 1:4; I Pedro 1:18-20].

E. Judá desceu com seu irmão mais novo para o Egito. Foi lá que Benjamim se viu envolvido em problemas. O Senhor Jesus acompanhou Seu povo para este mundo onde eles necessitariam de redenção [Hebreus 2:11-15].

F. Judá prontamente assumiu a culpa pelos erros dos seus irmãos [vers. 33]. Jesus Cristo pagou pelos nossos pecados [Isaías 53:6].

G. Judá intercedeu por seus irmãos baseado na sua própria garantia [vers. 32]. O Senhor Jesus intercede pelo Seu povo baseado na Sua fiança por eles [João 17:6 e 9; Romanos 5:10; 8:33-34].

H. Judá foi bem sucedido em seus esforços para salvar Benjamim. Jesus Cristo se tornou a nossa garantia, morreu em nosso lugar, e agora vive para interceder por nós. Ele é absolutamente bem sucedido na obra de salvar o Seu povo. Todas as Suas ovelhas serão reunidas em Seu aprisco [João 10:27-29] e todos os filhos se encontrarão no Seu lar [Hebreus 2:10 e 13].

Published inGuia de estudo para Gênesis