Skip to content

Estudo sobre Gênesis 16

[Índice ou e-book]

INTRODUÇÃO

O povo de Deus é em muitos aspectos um tipo muito estranho. Em Gênesis 14-15, Abraão é visto como um brilhante exemplo de fé. Entretanto, em Gênesis 16 ele age contrário a fé. O fato dos Cristãos estarem sujeitos a influências de diferentes forças, explica estas inconsistências [Gálatas 5:16-17]. Nós nos alegramos por Deus não permitir que a verdadeira fé salvadora venha a fracassar [I João 5:4].

I. A NECESSIDADE DE FÉ – VERSÍCULO 1.

Deus muitas vezes espera para agir até que Seus planos se tornem humanamente impossíveis de serem realizados. Abraão tinha oitenta e cinco anos e não tinha tido filhos e Sara havia passado da idade de poder engravidar.

Qual a esperança que eles poderiam ter de terem um filho? A resposta é claro, deveria ser que a promessa de Deus era suficiente para eles. Deus sempre mantém Sua palavra. Todavia, Ele faz isso de maneira que Ele mesmo venha a ser glorificado. O Seu tempo e métodos são muitas vezes uma prova para a carne. Nós devemos aprender que a fé deve ser acompanhada de paciência para poder aguardar calmamente para Deus cumprir a Sua palavra. [Hebreus 6:12; 10:35-36].

II. A TENTAÇÃO – VERSÍCULOS 1-3.

Note como a aproximação da tentação pode ser sutil:

A. Ela veio por meio de uma pessoa justa [I Pedro 3:6].

B. Ela veio de uma pessoa próxima de Abraão.

C. Ela foi uma bem intencionada tentativa de “ajudar a Deus”.

Entretanto:

A. Ela era contrária ao plano de Deus para o casamento.

B. Ela não passava de uma estratégia humana para tentar melhorar o plano divino.

III. UMA ALEGORIA.

O casamento e os eventos subseqüentes são usados nas Escrituras como uma alegoria para nos ensinar o perigo de tentar ser salvo pela lei [Gálatas 4:21-31]. Isto será explicado no decorrer do estudo. Os pregadores também têm usado isto como exemplo de uma tentativa tola de fazer a vontade de Deus no poder da carne.

IV. A POLIGAMIA CONSUMADA – VERSÍCULOS 4-6.

O propósito do casamento é a felicidade da humanidade e a criação de crianças tementes a Deus [Malaquias 2:15]. A poligamia é inimiga destes propósitos divinos. Não houve nenhum casamento polígamo em que o ciúme e a amargura não entraram. Infelizmente, isso sempre passa para os filhos [Gênesis 21:9-11]. Depois que Agar deu a luz, ela começou a provocar e irritar Sara. Abraão então permitiu que Sara a “colocasse em seu devido lugar”. Isto causou um ressentimento tão grande, que Agar fugiu de casa.

V. BEER-LAAI-RÓI – VERSÍCULOS 7-14.

Sem dúvida, enquanto Agar vagueava, ela começou a refletir e a se acalmar. Enquanto ela estava descansando em uma fonte de água, o Anjo do SENHOR (Jeová) apareceu a ela. Aqueles que conhecem as Escrituras sabem que este Anjo era o Filho de Deus. Agar foi instruída a voltar para a casa de Abraão e então cumprir o plano que Deus tinha para ela. Provavelmente ela mesma já estava contemplando isto.

Agar aparentemente era uma mulher justa. Ela parece ter ficado muito impressionada com este encontro com o Senhor. Como muitas outras pessoas do Velho Testamento, ela estava surpresa de ter visto a Deus e ainda estar viva. Eles sabiam que ninguém poderia ver a completa glória de Deus e ainda sobreviver.

Agar também estava impressionada pelo fato de que Deus era um Deus que sempre a via. Dali em diante ela se referia a Deus como “Tu és Deus que me vê”. Ela deu o nome ao poço no qual ela se encontrara com Deus de Beer-Laai-Rói, que significa “o poço Daquele que vive e me vê”. Quantas pessoas nunca perceberam que Deus vê seus atos e pensamentos. Eles ficariam chocados em saber que Deus presta atenção neles. Que nós vivamos como aqueles que se lembram de que são observados pelos “olho que tudo vê” de nosso Senhor.

VI. AS PROMESSAS DE DEUS PARA AGAR – VERSÍCULOS 10-12.

Aparentemente por causa de Abraão, Deus abençoou Agar e Ismael [Gênesis 17:18]. Entretanto, os descendentes de Ismael se tornaram inimigos de Israel. Isto não ilustra o fato de que a obra de Deus feita no poder ou sabedoria da carne sempre produzirá problemas, e por fim prejudicará a obra do Senhor?

Veja as promessas e profecias feitas a Agar:

A. Seus descendentes seriam uma multidão.

B. Ela teria um filho que se chamaria Ismael.

C. Ismael seria um homem violento, que ao mesmo tempo se oporia e sofreria oposição. Aparentemente o povo Árabe, descendente de Ismael, tem exemplificado isto.

VII. O NASCIMENTO DE ISMAEL – VERSÍCULOS 15-16.

Ismael nasceu de uma escrava e foi concebido estritamente pelo poder da carne. Ele permanecerá para sempre como uma figura daqueles que buscam a salvação através da lei.

Published inGuia de estudo para Gênesis