Skip to content

Capítulo 28: Apêndice — sermão por D. F. Sebastian

[Índice]

DEUS É POR NÓS
D.F. Sebastian
Pastor da Primeira Igreja Batista em Plant City, Flórida, EUA

“Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Romanos 8:31)

INTRODUÇÃO

Este texto mostra o fato mais glorioso que já penetrou a consciência da minha alma. “Deus é por nós!”. O “se” podia e deve ser traduzido “desde que”. O texto não expressa uma esperança duvidosa, mas uma certeza estabelecida. “Desde que Deus é por nós, quem será contra nós?” Ele marca o início de uma gloriosa conclusão climática dos oito primeiros capítulos de Romanos. Paulo já mostrou que todos os pecadores são miseráveis, inescusáveis e condenados (capítulo 1 – 3:20). Depois ele mostra que Deus ofereceu uma justiça suficiente para os pecadores em Cristo, a qual é recebida pela fé e não pelas obras (3:21-5:11). A seguir, ele mostra a experiência pessoal de quem recebe esta justiça (capítulos 6-7). O oitavo capítulo começa com “Nenhuma condenação” e termina com “nenhuma separação” para os que estão em Cristo Jesus. Nosso texto é o clímax da doutrina gloriosa da salvação pela graça expressa nesta passagem: “Que diremos pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?”

PRIMEIRAMENTE, QUERO QUE GRAVEMOS EM NOSSO CORAÇÃO O PENSAMENTO CENTRAL DO TEXTO: “DEUS É POR NÓS”.

Nos céus acima de nós, ao contemplarmos o universo de mundos e planetas, vemos que Deus está acima de nós. Na natureza, vemos que Deus está ao nosso redor. Em Sua lei sentimos que Ele está contra nós, pois somos culpados diante de Sua lei justa e santa. Porém, em graça, somos assegurados que “Deus é por nós!” Ele é nosso defensor, justificador, escudo e campeão. Ter Deus por nós significa que cada atributo do Seu ser, e cada grama de Seu poder inexaurível estão engajados a nosso favor e eterna segurança. Sua imutabilidade garante que Deus será por nós para sempre. Ele não muda. Ele não é volúvel em Seus propósitos, nem deixa uma tarefa inacabada. “O Deus eterno é a tua habitação, e por baixo estão os braços eternos”. (Deuteronômio 33:27). “Porque eu, o Senhor, não mudo” é Sua própria declaração que nos dá segurança, “por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos”. (Malaquias 3:6). A segurança do crente não se baseia na sua perseverança, mas na imutabilidade de Deus.

Quem pode ser contra nós?

Se Deus é por nós, que o inferno e a terra, as trevas e a maldição, homens e demônios façam o que há de pior. Todos os seus esforços para nos destruir serão em vão e nosso Deus trará sobre eles eterna confusão. Se Deus é por nós, por que temer a face do homem? Por que se acovardar diante dos insultos insignificantes do homem? Por que viver num complexo de derrota? Deus é por NÓS – Deus é por NÓS! Aleluia!

QUANDO E COMO DEUS É POR NÓS?

1. Deus é por nós na Eternidade Passada.

A. Por nós em Sua presciência: “Os que dantes conheceu”. “Dantes conheceu” significa mais do que um conhecimento sobre nós, pois conhecia o diabo e todas as outras pessoas. É igual à predestinar, ou escolher, ou eleger. Significa que conhecia de antemão com um propósito e de modo eficaz. I Pedro 1:2 diz: “Eleitos segundo a presciência de Deus Pai”. “Segundo” significa “em harmonia com “ ou “de acordo com” . Sua escolha foi feita de acordo com, ou medida por ou igual a Sua presciência de nós. Ele é por nós em presciência. Antes mesmo de termos nascido, de termos feito bem ou mal, Deus era por nós em Seus propósitos de graça.

B. Por nós na predestinação. Deus predestinou o destino e a santificação de cada um de nós na eternidade passada – decretou e determinou nosso destino. Não só decretou que íamos para o céu, mas também que seríamos “conformes à imagem de seu Filho”. (Romanos 8:29). “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos”. ( I João 3:2).

2. Deus é por nós no Tempo Presente.

A. Por nós no Chamado Eficaz – “A estes também chamou”. (Romanos 8:30). “Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação; não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos”. (I Timóteo 1:9). Chamou-os segundo o que Ele propôs na eternidade passada, para realizar Seu propósito na eternidade futura. Os pecadores não são chamados por acaso nem por mera sorte, mas de acordo com o propósito de Deus. Há uma diferença imensa entre um chamado e um convite. Os pastores fazem convites ao pecadores, mas Deus os chama da morte para a vida. Há um chamado geral no Evangelho para cada homem, mas há um chamado eficaz e particular de Deus para os “que dantes conheceu” e para os predestinados – “a estes também chamou”. (Romanos 8:30).

Ele nos chama pelo Espírito Santo e pela Palavra. Ele chama à vida (regeneração) pelo Espírito e à justificação pela Palavra. A primeira é vital, a outra é legal e as duas acontecem no momento em que o pecador é salvo.

B. Por nós na Justificação – “A estes também justificou”. (Romanos 8:30). Justificação significa ser declarado justo ou inocente diante da lei de Deus. “Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus?” (Romanos 8:33). Quando Deus justifica ou declara Seu eleito justo, nunca haverá acusação mantida contra ele. Os eleitos podem ser acusados por Satanás ou caluniados pelos homens, mas a declaração do céu nunca será revertida nem nunca serão postos em perigo por seus pecados de novo. “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo”. (Romanos 5:1).

C. Por nós na Providência – “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Deus é por nós através de todas as experiências desta vida: na doença e na saúde, em casa e no estrangeiro, na prosperidade e na adversidade, na terra e no mar. Sua providência opera em todas as coisas para o nosso bem – nada pode ser contra nós no final das contas. No momento atual as nuvens podem estar escuras, ou o fardo pesado, ou a estrada difícil demais, mas tudo se encaixa em Seu plano e propósito de cooperar para o nosso bem. Quem pode ser contra nós? “Os passos de um homem bom são confirmados pelo Senhor, e deleita-se no seu caminho. Ainda que caia, não ficará prostrado, pois o Senhor o sustém com a sua mão”. (Salmo 37”23-24). “Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou”. (Romanos 8:37).

3. Deus é por nós na Eternidade Futura.

A. Por nós na Glorificação – “A estes também glorificou”. (Romanos 8:30). A glorificação é futura. Então seremos como Ele é. Lá nosso corpo vil será modelado à semelhança de Seu próprio corpo glorioso. A glorificação é a consumação de todo o propósito e ação prévios da graça. Todas as verdades da presciência, predestinação, chamado, justificação, santificação e providência terão seu lugar no padrão divino e se revelarão na imagem de Jesus Cristo. Seremos semelhantes a Ele e Deus, o Pai, olhará para nós como o produto final de Sua redenção eterna.

4. Deus é por nós em um Eterno Presente.

Fala-se tudo isto no pretérito (Romanos 8:28-30) como se já tivesse acontecido. Os propósitos de Deus são tão certos de cumprimento que Ele os expressa como já realizados. Não pode haver sombra de dúvida quanto à nossa segurança, desde que Deus, o qual não pode mentir, já declarou o fim do começo.

Dr. A. C. Dixon diz que esta passagem retrata o plano de Deus da Salvação Eterna como uma grande ponte suspensa que se estende sobre um abismo profundo. Os grandes cabos são ancorados nas montanhas rochosas em ambos os lados e são esticados por sobre o abismo. Outros cabos fortíssimos de aço são ligados aos cabos horizontais e sustentam a estrutura da ponte, à medida que o tráfego constante a atravessa de um lado para outro.

A Presciência e Predestinação têm uma âncora segura nos Conselhos Eternos do Deus Triuno antes de haver tempo – a Glorificação ancora o cabo da Graça Divina na Eternidade ainda futura – ao passo que o Chamado e a Justificação sustentam o eleito na experiência real aqui, no tempo enquanto somos levados são e salvos sobre as correntes turbulentos da vida. Deus é por nós o caminho inteiro!

O EFEITO PRÁTICO DESTA DOUTRINA EM NOSSA VIDA

1. Ela nos dá um senso de segurança.

“Quem nos separará do amor de Cristo?” (Romanos 8:35). Não somos mais crentes cheios de dúvidas e medrosos, mas pessoas confiantes e destemidas, que descansam em Seu poder e promessas.

2. Produz Lealdade e Fidelidade.

“Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia”. (Romanos 8:36). Perseguição, fome, tribulação, nudez, perigo ou espada não nos afastam do nosso Senhor, pelo contrário, levam-nos ainda para mais perto dEle. Tudo o que Satanás puder fazer contra nós nos aproxima mais de nosso Deus; preferimos morrer do que sermos infiéis a Ele.

3. Produz Vencedores.

“Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou”. (Romanos 8:37). Esta doutrina é muitas vezes contradita, com base em que produz descuido, indulgência e preguiça por parte dos que crêem nela. Esta é uma calúnia de Satanás aos crentes. Nenhuma doutrina jamais produziu tantos mártires quanto esta doutrina gloriosa. Façam a chamada dos mártires e poucos arminianos estarão na lista. Paulo, o escritor do nosso texto, selou seu testemunho com seu próprio sangue.

4. A Maior de Todas as Âncoras Para a Alma.

A maior fonte de paz para a mente e a base mais gloriosa para o regozijo que meu coração já experimentou são estas: “Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?” Amém e Amém!!!


Revisão 2004: David A Zuhars Jr

Published inDefinição de doutrina – Volume 2

Receba nossos informativos!

Cadastre seu e-mail para receber nossas novidades:

Obrigado. Cadastro efetuado com sucesso!