Skip to content

Capítulo 11: A presciência de Deus

[Índice]

“Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho”. Romanos 8:29.

“Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu”. Romanos 11: 2.

“Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão”. 2 Pedro 3:17.

“Sabendo de mim desde o princípio”. Atos 26:5.

“O qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo”. 1 Pedro l:20.

“A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus”. Atos 2:23.

“Eleitos segundo a presciência de Deus Pai”. I Pedro 1:2.

Nas passagens precedentes, damos todas as Escrituras no N. T. onde a palavra “presciência” é usada. Deve-se notar que ela é usada cinco vezes na forma verbal e duas vezes na forma substantiva. Nas formas verbais ela é usada três vezes sobre Deus e duas vezes sobre o homem.

No nosso julgamento dificilmente existe uma doutrina mais mal-entendida que esta que está diante de nós. É bom que lembremos que o significado de certos termos bíblicos não é determinado pelo uso popular de nossos dias, nem pela referência de dicionários modernos, mas pelos seus usos nas Escrituras. Somos aptos a pensar que conhecemos certa palavra e deixamos de verificar tal palavra pelo uso de uma concordância. Pergunte a uma pessoa o significado da palavra “carne”, e responderá que é o corpo do homem ou dos animais. Mas não é sempre que esta palavra tem tal significado. Ela se refere muitas vezes à natureza humana pecaminosa. Veja Romanos 7:18; 13:14; Filipenses 3:3. A maioria das pessoas pensa que a palavra “mundo” refere a raça humana, quando na verdade esta palavra é raramente usada com tal sentido nas Escrituras. Veja João 15:18-19; Romanos 11:13; João 17:9; 1 João 5:19. Spurgeon diz que a palavra “mundo” na Bíblia tem sete ou oito significados diferentes. O mesmo acontece com a palavra “imortal?, que para a maioria das pessoas é usada com referência à alma, quando na verdade esta palavra nunca é usada com referência à alma, antes sempre se refere ao corpo. Veja 1 Coríntios 15:53-54. 2 Timóteo 1:10.

PRESCIÊNCIA COMO ATRIBUTO

O estudo do assunto em foco levantou a questão se a presciência deveria ou não ser classificada como um dos atributos divinos. Um atributo divino é uma qualidade pertencente à natureza de Deus, uma de Suas perfeições pessoais, algo que pertence intrinsecamente a Seu caráter ou natureza. Por exemplo, amor, misericórdia, graça, e sabedoria são qualidades de Deus e, portanto, são atributos. Nossa conclusão, após muito estudo, é que “presciência” é tanto um atributo quanto um ato de Deus. Quando a palavra é usada no sentido popular, ela se refere ao conhecimento de Deus de acontecimentos antes de acontecerem. Neste sentido, presciência é um dos atributos de Deus como é também o amor, a misericórdia, a graça, a sabedoria e etc.

PRESCIÊNCIA – UM ATO DIVINO

A palavra presciência quando usada na Bíblia não pode se referir a um atributo ou qualidade de Deus. O uso no sentido de um ato não é um atributo. Não diríamos que predestinação e eleição são atributos divinos, antes atos divinos. Presciência, quando usada com acontecimentos, é um atributo, quando usada sobre o homem, ela é um ato imanente de Deus, um ato que permanece e opera dentro da natureza divina. É a diferença entre a natureza de Deus e as atividades de Deus; entre o que Ele é e o que Ele faz. A presciência, quando considerada atributo, é um ramo da onisciência divina; e quando considerada ato, é um ramo da doutrina dos decretos de Deus. Após termos escrito os parágrafos precedentes, encontramos um artigo sobre “Presciência” na enciclopédia Internacional da Bíblia Modelo, escrito por Dr. C. W. Hodge. E ele afirma exatamente o que nós tentamos dizer. Deixamos que o leitor estude sua afirmação juntamente com o que nós já afirmamos.

“A palavra presciência tem dois significados. É um termo usado na teologia para expressar a idéia da previsão de Deus, isto é, Seu conhecimento do curso integral de acontecimentos que são futuros do ponto de vista humano. Ela também é usada com o sentido de pré-ordenação. No sentido de pré-conhecimento, ela é um aspecto da onisciência divina. O saber de Deus, de acordo com as Escrituras, é perfeito, isto é, Ele é onisciente”. C. W. Hodge.

PRESCIÊNCIA E PRÉ-ORDENAÇÃO

Quando presciência é usada como um ato divino, ela significa quase a mesma coisa que pré-ordenação. Deixamos novamente o Dr. Hodge falar: “Embora, a presciência de Deus no sentido de pré-conhecimento seja assegurada no N. T., este não é o mesmo significado quando usada para traduzir as palavras gregas “proginoskein” e “prognosis”. Estas palavras que, às vezes são traduzidas como pré-ordenação, significam muito mais que a mera presciência ou previsão intelectual. Ambas as formas, verbal e substantiva, aproximam-se da idéia de pré-ordenação e são intimamente ligadas às passagens onde se encontram”.

Quando presciência se aplica aos acontecimentos, inclusive ‘a livre ação do homem, ela indica a previsão divina ou o conhecimento de antemão. Quando referente às pessoas, ela tem sentido de favor, denotando não só uma mera ação da mente, mas uma afeição para com a pessoa em vista. A palavra presciência não se encontra no V. T., mas a palavra conhecer é encontrada muitas vezes e significa muitas vezes, amar ou escolher.

“Eles fizeram reis, mas não por mim”. Oséias 8:4. “Antes que te formasses no ventre te conheci”. Jeremias l:5. “De todas as famílias da terra só a vós vos tenho conhecido”. Amós 3:2. “Porque o Senhor conhece o caminho dos justos”. Salmo 1:6. Nestas passagens não significa conhecimento, mas sim afeição ou escolha. E a palavra conhecer é também muitas vezes usada no N. T. no mesmo sentido. “E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci”. Mateus 7:23. Isto significa que Ele não os conheceu para a salvação. “Eu sou o bom pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido”. João 10:l4. “Ma, se alguém ama a Deus, este é conhecido dele”. 1 Coríntios 8:3. E novamente, “O Senhor conhece os que são seus”. 2 Timóteo 2:19. Nestes versículos o conhecimento de Cristo é limitado aos salvos, e, portanto não pode significar uma mera associação, mas uma afeição. Deus conhece a todos, mas nem todos têm Sua afeição.

Agora, a “presciência das pessoas” significa pré-conhecer com propósito benigno. Significa conhecer com o intento de abençoar. A presciência de Deus de uma pessoa indica Seu favor a tal pessoa e Sua intenção de salvá-la. No fim, os pré-conhecidos serão glorificados, pois, Deus os salvou com tal propósito. O primeiro ato da benevolência de Deus para com os pecadores foi o de pre-conhecê-los. E tal presciência (historicamente) foi a base para todas as outras bênçãos subseqüentes. “Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho”. Romanos 8:29.

Deus olhou para alguns pobres pecadores com favor gracioso, e determinou fazê-los semelhantes a Seu Filho glorioso. E Ele não lança fora aos que predestinou. Romanos 11:2. Sobre este versículo Dr. A. T. Robertson fez estes comentários: “Deus escolheu um povo, o povo de Israel, por este motivo é que Ele não os lançava fora”.

Aqueles a quem Deus escolheu antes da fundação do mundo, não serão abandonados no presente, nem no futuro. Estes são os “eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo”. 1 Pedro 1:2. Neste versículo notamos que eleição é baseada na presciência de Deus Pai. Aqueles a quem o Pai olhou com favor gracioso foram eleitos à obediência da fé e para a aspersão do sangue de Cristo. E esta obediência resulta do poder santificador do Espírito Santo. O leitor deve notar que enquanto a eleição é para salvação, esta salvação não é sem a fé em Jesus Cristo. Os eleitos são justificados, mas a justificação é pela fé no sangue de Cristo. Romanos 5:1; 3:28; 4:5; etc.

Para ser exato e crítico o autor crê que, ainda que presciência seja intimamente associada com a predestinação e pré-ordenação, ela tem um significado especial todo seu. A ordem divina em Romanos 8:29-30, é presciência, predestinação, chamado, justificação e glorificação. A ordem em 1 Pedro 1:2, é presciência, eleição e santificação. Portanto, os pré-conhecidos são eleitos, predestinados, chamados, justificados, santificados e glorificados. Desde que cada aspecto da salvação é pela graça, a presciência de Deus de pessoas é Seu interesse e amor tão gracioso pelos pecadores. E por causa deste Seu favor a eles, Deus os escolheu para a salvação, predestinou-os para adoção como filhos, chamou-os pela graça, justificou-os pela graça por meio da fé no sangue de Cristo, santificou-os pelo Espírito e os glorificará quando o Senhor vier. Que cada leitor, com toda diligência, certifique-se de seu chamado e eleição. 2 Pedro 1:10.

Published inDefinição de Doutrina -- Volume I